Este Espaço tem por objetivo compartilhar leituras, falar de encontros, educação, eco-feminismo, parto humanizado, cultura de paz, espiritualidade, dança... de movimentos que o Universo faz pelos quais nos encontramos.
Seja bem vindo, a entrada é franca e amiga... mas chegue com o coração aberto, senão, de nada vai adiantar estar aqui!

28 de dez de 2010

Banco Familiarista - uma nova economia é possível!

Recebi hoje por email e compartilho... achei ousado e inteligente... sou adepta da economia solidária.

Banco Familiarista  tem como objetivo principal, formalizar um centro de trocas não só de bens materiais como de serviços, resgatando uma sociedade mais unida, justa, valorizada e feliz. O Banco não tem fins lucrativos, nem dinheiro à circular! 

A principal ação do Banco Familiarista é uma rede chamada “Banco de Horas”:

No Banco de horas, você se cadastra no: bancofamiliarista@gmail.com , respondendo à um formulário, onde irá descrever seu serviço detalhadamente, com os contatos, onde ficará armazenado em uma central de dados. (SÓ RESPONDER O CADASTRO DO SIM DO E-MAIL)

Quando requisitado seu serviço ao Banco, o contato é repassado e o cliente ficará com uma hora devedora em sua conta, e o que atendeu, uma hora creditada. Horas são trocadas apenas com horas.

Economia Solidária é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Sem explorar os outros, sem querer levar vantagem, sem destruir o meio ambiente. Cooperando, fortalecendo o grupo, cada um pensando no bem de todos e no próprio bem.
Considerando essas características, a economia solidária aponta para uma nova lógica de desenvolvimento sustentável com geração de trabalho e distribuição de renda, mediante um crescimento econômico com proteção dos ecossistemas. Seus resultados econômicos, políticos e culturais são compartilhados pelos participantes, sem distinção de gênero, idade e raça. Implica na reversão da lógica capitalista ao se opor à exploração do trabalho e dos recursos naturais, considerando o ser humano na sua integralidade como sujeito e finalidade da atividade econômica.

Maiores informações:
Lucas Montanari (11) 7718-2287 / 86*222170  

27 de dez de 2010

OS QUATRO COMPROMISSOS, de Dom Miguel Ruiz

Pequeno resumo do livro: "OS QUATRO COMPROMISSOS", de Dom Miguel Ruiz, Editora Best Seller.

1 - PRIMEIRO COMPROMISSO:

SEJA IMPECÁVEL COM SUA PALAVRA

É o compromisso mais importante. É através da palavra que expressamos nosso poder criativo, quer seja através da fala ou do pensamento. É o mais poderoso instrumento que possuímos, e tanto pode ser usado para nos libertar como para nos escravizar.
O primeiro passo é ter consciência do poder da palavra. E aí então, torná-la impecável. Impecável significa "sem pecado". Bom, mas o que é pecado? Pecado é quando vamos contra a nossa natureza mais íntima, a nossa essência. Ou seja, sempre que nos julgamos, estamos pecando. Sempre que nos julgamos, nos criticamos, nos culpamos, nos condenamos, estamos pecando. E isso cria uma série de conflitos em nossa vida. E assim sem percebermos vamos nos escravizando a esses conflitos.
Se passarmos a sermos impecáveis com nossa palavra iremos, pouco a pouco, re-criar nossa vida na direção do bem, do amor, da harmonia. E nos libertar do conflito.
Esse é um compromisso difícil de assumir, pois vai contra muito do que nos ensinaram. Por isso que é fundamental, antes de tudo, acreditar no poder da palavra, pois foi esse mesmo poder, usado erradamente, que criou tanto conflito em nossa vida.
O próximo passo é assumir consigo mesmo o compromisso de sermos impecáveis com nossa palavra. Devemos observar a nós mesmos, o que dizemos, o que pensamos, e ir modificando nossa palavra. Observar a forma como falamos com nós mesmos (nosso diálogo interior) e evitar qualquer pensamento de crítica, julgamento, culpa, substituindo- os por pensamentos de apoio, afeto, confiança, aceitação. Aos poucos vamos realizando também esse processo na forma como lidamos com os outros, como falamos com eles, como pensamos sobre eles.
Ser impecável com nossa palavra é usar nossa palavra para cultivar a semente do amor que existe em nós. É só em terreno fértil que esse amor pode crescer e frutificar.

2 - SEGUNDO COMPROMISSO:

NÃO LEVE NADA PARA O LADO PESSOAL:

Se você leva as coisas pro lado pessoal é porque, em algum nível, você concorda com o que está sendo dito.
Nós costumamos levar as coisas pro lado pessoal devido a uma coisa chamada "importância pessoal". Achamos que tudo o que acontece a nossa volta tem a ver conosco. Será que tem mesmo?
O que os outros fazem, dizem ou pensam tem a ver com a forma como os outros vêem o mundo, e não tem nada a ver com você. Já parou pra pensar nisso?
Os outros vêem o mundo baseado nos compromissos que assumiram consigo mesmos (suas crenças) e isso não tem nada a ver com você.
Quando você se sente ofendido ou magoado por outra pessoa sua reação é defender seus compromissos (suas crenças) como algo certo, estabelecido, como uma "verdade", quando são apenas suas crenças. Saiba que os outros não tem nada a ver com suas crenças.
Daí tantos conflitos e tanto caos criado em nossas vidas. Eu levo tudo pro lado pessoal, e os outros também. Eu defendo meus pontos de vista e os outros defendem os pontos de vista deles.
Não deveríamos levar nada para o lado pessoal, nem as críticas e nem os elogios.
Não levar nada para o lado pessoal é viver em estado de tal amor que todo o mundo ao nosso redor é visto por esse prisma, sob o ponto de vista do AMOR. Se vejo tudo com olhos amorosos, me liberto das críticas e até dos elogios.
O contrário do amor é o medo, e quanto mais medo tivermos em nós, mais levaremos as coisas para o lado pessoal, criando caos e conflito.
Escolha: quero ver o mundo com olhos medrosos? Ou quero ver o mundo com olhos amorosos? Assuma o compromisso de não levar nada para o lado pessoal, vendo tudo com olhos amorosos.

3 - TERCEIRO COMPROMISSO:

NÃO TIRE CONCLUSÕES:

Temos tendência a tirar conclusões sobre tudo, a presumir verdades.
É por isso que levamos tudo pro lado pessoal, porque acreditamos em nossas conclusões, em nossas "verdades", e como criamos conflito por isso...
Buscamos conclusões porque buscamos nos sentir seguros.
Tiramos conclusões até de nós mesmos. De onde você acha que vem nosso autojulgamento? De nossas conclusões sobre nós mesmos!
Não tirar conclusões significa viver a vida como ela é, dinâmica, viva, aberta, eternamente em movimento. Pare de presumir verdades e simplesmente viva!

Claro que você pode saber mais sobre uma pessoa ou uma situação. Nesse caso, faça perguntas, quantas achar necessário, mas nunca ache que você detém toda a verdade. Tal coisa é impossível..

QUARTO COMPROMISSO:

DÊ SEMPRE O MELHOR DE SI:

Esse compromisso se refere a ação dos três compromissos anteriores.
Sempre dê o seu melhor, mas lembre que esse melhor nunca será o mesmo, pois tudo sempre está mudando. Lembra quando disse que a vida é dinâmica, aberta, sempre em movimento? Pois é! Por isso, não busque aquele melhor idealizado que só existe nos filmes e que nos ensinaram (esse melhor idealizado só serve pra nos criticarmos, pois nunca conseguimos atingi-lo).
Dar o melhor de si significa não se esforçar exageradamente nem fazer corpo mole. Dê o seu melhor de cada momento, nem mais, nem menos.
Quando você faz o seu melhor pode ter prazer na ação, ao invés de fazer as coisas apenas esperando resultados, apenas esperando a recompensa.
Dar o seu melhor é ser feliz desde agora!
Assim, você irá atingir um ponto em que tudo o que você faz é sempre o seu melhor.
Sempre que não conseguir manter um dos compromissos anteriores, não há problema, não se julgue, não se culpe. Você deu o seu melhor! E siga em frente.

Reiki Xamânico nível I - Janeiro de 2011


Queridas, queridos
Em janeiro de 2011 estaremos realizando mais um Curso de Reiki Xamânico - O Caminho do Coração - nível I. O curso não tem pré-requisito, está disponível a qualquer homem e mulher que queiram aproximar-se da sua essência, estabelecer conexão com a natureza e com tudo que Ela nos oferece; que queiram conhecer o Campo de Possibilidades que é a VIDA e que desejam estar à SERVIÇO, alinhados com seu Propósito Celeste. O Curso é todo ele vivencial, a iniciação é individual, é repassado aporte teórico depois do curso e os facilitadores ficam amorosamente a disposição para dúvidas e orientações depois do processo, de acordo com a necessidade de cada um.

O nível I além de apresentar elementos básicos e essenciais no atendimento de Reiki Xamânico, purifica e prepara o participante para seguir sua jornada de Encontro a si mesmo (queira ele participar dos outros níveis ou não). Atualmente há muita informação disponível à respeito do Caminho Vermelho, a teoria já está acessível em livros e virtualmente, mas o objetivo de um curso vivencial é dar acesso à informações que estão disponíveis somente à VOCÊ. Cada um carrega em si uma biblioteca VIVA, traz em suas células milhares de informações, carregando em seu coração a SABEDORIA que vem da FONTE. Jamais deixamos de ser aquilo que somos - SOMOS CENTELHA DIVINA!

É com muito Amor no coração que lhe faço este convite. Repasse por Amor!

Abraço fraterno,
Ana Andrade

14, 15 e 16 de janeiro de 2011
REIKI XAMÂNICO nível I
O CAMINHO DO CORAÇÃO


14/01 - 19h30min às 23h
15/01 - 08h às 23h
16/01 - 09h às 21h

Contribuição: R$ 260,00 até 01/01/2011 (incluído material, alimentação, temazcal, certificado), após esta data R$ 280,00.

Trazer: Bloco de anotação, caneta, roupa para suar (homens bermuda, mulheres vestido ou saia) ou roupa de banho, toalha de banho, chinelo, doação para homem/mullher do Fogo (o que sentir no coração).

Facilitadores: Ana Paula Andrade e Rafael Dusik

Local: Espaço Rapa Nuy
Rua Delfino Riet, 116
Santo Antônio - Porto Alegre/RS
(ônibus Caldre Fião ou lotação Canal 10)
(51) 32352124

Inscrições: (51) 98210643
clafilhasdalua@gmail.com


Inscrição mediante depósito de R$ 60,00 (este valor só é devolvido em caso de aviso prévio de 15 dias anterior a data do curso). Informe-se sobre condições de pagamento!

22 de dez de 2010

Palavras do Osho


A miséria tem muitas coisas para lhe dar que a felicidade não pode dar. De fato, a felicidade tira muitas coisas de você. A felicidade tira tudo aquilo que você sempre teve, tudo aquilo que você sempre foi, a felicidade lhe destrói.

A miséria nutre seu ego e a felicidade é basicamente um estado sem ego. Este é o problema, o ponto crucial do problema. Eis porque as pessoas acham muito difícil serem felizes.

Eis porque milhões de pessoas no mundo tem que viver na miséria... decidiram viver na miséria. Ela lhes dá um ego muito muito cristalizado. Sendo miserável, você é Feliz, mas você não é. Na miséria, a cristalização; na felicidade você fica dissolvido.

Se isso for entendido, então as coisas ficam muito claras. A miséria lhe torna especial. Felicidade é um fenômeno universal, não há nada especial sobre ela. As árvores são felizes e os animais são felizes e os pássaros são felizes. Toda existência é feliz, exceto o homem. Sendo miserável, o homem se torna muito especial, extraordinário.

A miséria torna você capaz de atrair a atenção das pessoas. Quando você é miserável você é assistido, simpatizado, amado. Todo mundo começa a cuidar de você. Quem vai querer magoar uma pessoa miserável? Quem tem ciúmes de uma pessoa miserável? Quem vai querer ser contra uma pessoa miserável? Isso poderia ser muito maldoso.

A pessoa miserável é cuidada, amada, assistida. Há um grande investimento na miséria. Se a esposa não for miserável o marido simplesmente tende a esquecê-la. Se ela for miserável o marido não pode se permitir a negligenciá-la. Se o marido for miserável toda a família, a esposa, as crianças, estão ao seu redor, preocupados com ele; isso dá grande conforto. A pessoa sente que ela não está só, a pessoa tem uma família, amigos.

Quando você está doente, depressivo, na miséria, os amigos vêm visitá-lo, vêm confortá-lo, vêm consolá-lo. Quando você está feliz, os mesmos amigos ficam com ciúmes de você. Quando você está realmente feliz, você vai ver que o mundo todo se voltou contra você.

Ninguém gosta de uma pessoa feliz, porque a pessoa feliz fere os egos dos outros.

Os outros começam a sentir, “Então você ficou feliz e nós ainda estamos rastejando na escuridão, na miséria e no inferno. Como você ousa ser feliz quando estamos todos em tal miséria!”

É claro que o mundo consiste de pessoas miseráveis e ninguém é bastante corajoso para ir contra o mundo inteiro; é muito perigoso, arriscado demais. É melhor se apegar à miséria, isso mantém você como parte da multidão. Feliz, você é um indivíduo; miserável, você é parte da multidão – Hindu, Maometano, Cristão, Indiano, Árabe, Japonês.

Feliz? Você sabe o que a felicidade é? Ela é Hindu, Cristã, Maometana?

A felicidade é simplesmente felicidade. A pessoa é transportada para um outro mundo. A pessoa não faz mais parte do mundo que a mente humana criou, a pessoa não é mais parte do passado, da feia história. A pessoa não é mais absolutamente parte do tempo. Quando você está realmente feliz, alegre,o tempo desaparece, o espaço desaparece.

Albert Einstein disse que no passado os cientistas costumavam pensar que haviam duas realidades – tempo e espaço. Mas ele disse que essas duas realidades não são duas – elas são duas faces de uma única realidade. Dessa forma ele cunhou a palavra espaçotempo, uma única palavra. O tempo não é nada mais senão a quarta dimensão do espaço.

Einstein não era um místico, senão ele poderia ter introduzido a terceira realidade também – o transcendental, nem espaço nem tempo. Isso também está lá, eu o chamo de testemunha. E uma vez que esses três estão lá, você tem toda a trindade. Você tem todo o conceito do trimúrti, as três faces do divino. Assim você tem todas as quatro dimensões. A realidade é quadrimensional: três dimensões de espaço e a quarta dimensão do tempo.

Mas há algo mais, que não pode ser chamado de quinta dimensão, porque não é a quinta realidade, é o todo, o transcendental.

Quando você está feliz você começa a se mover para o transcendental.

Isso não é social, isto não é tradicional, não tem nada a ver com a mente humana, de forma alguma.


Osho, Extraído de: The Book of Wisdom

14 de dez de 2010

Encontro com a LUZ


SAI BABA fala sobre 2012 :


Ouviu falar de 2012 como um ano em que algo ocorrerá?
Bom, por um lado existem várias profecias que indicam esta data como um momento importante da história da humanidade, mas a mais significativa é o término do calendário Maya, cuja profecia foi interpretada de várias formas. Os mais negativos pensam que nesse ano o mundo termina, mas isto não é real, pois sabemos que neste ano começa a Era de Aquário.

Na verdade este planeta está sempre mudando a sua vibração, e estas mudanças intensificaram-se desde 1898, levando a um período de alterações dos pólos magnéticos que não ocorriam há milhares de anos. Quando ocorre uma mudança do magnetismo da terra, surge também uma mudança consciencial, assim como uma adaptação física à nova vibração. Estas alterações não acontecem apenas no nosso planeta, mas em todo o universo, como a ciência atual tem comprovado.
Informe-se sobre as mudanças das tempestades solares (que são tempestades magnéticas) e perceberá que os cientistas estão a par destes assuntos. Ou pergunte a um piloto aviador sobre o deslocamento dos pólos magnéticos, já que todos os aeroportos foram obrigados a modificar os seus instrumentos nos últimos anos.

Esta alteração magnética se manifesta como um aumento da luz, um aumento da vibração planetária.
Para entender mais facilmente esta questão, é preciso saber que a vibração planetária é afetada e intensificada pela consciência de todos os seres humanos. Cada pensamento, cada emoção, cada ser que desperta para a consciência de Deus, eleva a vibração do planeta. Isto pode parecer um paradoxo, uma vez que vemos muito ódio e miséria ao nosso redor, mas é assim mesmo.
Venho dizendo em mensagens anteriores que cada um escolhe onde colocar a sua atenção. Só vê a escuridão aqueles que estão focados no drama, na dor, e na injustiça. Aquele que não consegue ver o avanço espiritual da humanidade, não tem colocado a sua atenção nesse aspecto.

Porém se liberar sua mente do negativo, abrirá um espaço onde sua essência divina pode manifestar-se, e isto certamente trará o foco para o que ocorre de fato neste momento com o planeta e a humanidade.
“Estamos elevando a nossa consciência como jamais o fizemos”.

Como assim? Não percebe a escuridão?
Vejo-a sim, mas não me identifico com ela, não a temo. Como posso temer a escuridão se vejo a luz tão claramente? Claro que entendo aqueles que a temem, porque também fiquei parado nesse lugar onde apenas via o mal. E por esta razão sinto amor por tudo isso.
A escuridão não é uma força que obriga a viver com mais ruindade ou com mais ódio. Não é uma força que se opõe à luz. É ausência da luz. Não é possível invadir a luz com a escuridão, porque não é assim que o principio da luz funciona. O medo, o drama, a injustiça, o ódio, a infelicidade, só existem em estados de penumbra, porque não podemos ver o contexto total da nossa vida. A única forma de ver a partir da luz é por meio da fé. Assim que aumentamos a nossa freqüência vibracional (estado de consciência), podemos olhar para a escuridão e entender plenamente o que vivemos.

Mas como pode afirmar tudo isso, se no mundo existe cada vez mais maldade?
Não há mais maldade, o que há é mais luz, e é sobre isso que falo agora.
Imagine que você tem um quarto, ou uma despensa, onde guarda suas coisas, iluminado por uma lâmpada de 40W. Se trocar para uma lâmpada de 100W, verá muita desordem e um tipo de sujeira que você nem imaginava que tinha naquele local.

A sociedade está mais iluminada. Isto é o que está acontecendo. E isto faz com que muitas pessoas que lêem estas afirmações as considerem loucura.
Percebeu que hoje em dia as mentiras e ilusões são percebidas cada vez mais rapidamente? Bom, também está mais rápido alcançar o entendimento de Deus e compreender a forma como a vida se organiza.

Esta nova vibração do planeta tem tornado as pessoas nervosas, depressivas e doentes. Isto porque, para poder receber mais luz, as pessoas precisam mudar física e mentalmente. Devem organizar seus quartos de despejo, porque sua consciência cada dia receberá mais luz. E por mais que desejem evitar, precisarão arregaçar as mangas e começar a limpeza, ou terão que viver no meio da sujeira.

Esta mudança provoca dores físicas nos ossos, que os médicos não conseguem resolver, já que não provem de uma doença que possa ser diagnosticada.
Dirão que é causado pelo estresse. Porém isto não é real. São apenas emoções negativas acumuladas, medos e angústias, todo o pó e sujeira de anos que agora precisa ser limpo.

Algumas noites as pessoas acordarão e não conseguirão dormir por algum tempo. Não se preocupem. Leiam um livro, meditem, assistam TV. Não imaginem que algo errado ocorre. Você apenas está assimilando a nova vibração planetária. No dia seguinte seu sono ficará normal, e não sentirá falta de dormir.
Se não entender este processo, pode ser que as dores se tornem mais intensas e você acabe com um diagnóstico de fibromialgia, um nome que a medicina deu para o tipo de dores que não tem causa visível. Para isto não existe tratamento específico – apenas antidepressivos, que farão com que você perca a oportunidade de mudar sua vida.

Uma vez mais, cada um de nós precisa escolher que tipo de realidade deseja experimentar, porém sabendo que desta vez os dramas serão sentidos com mais intensidade, assim como o amor. Quando aumentamos a intensidade da luz, também aumentamos a intensidade da escuridão, o que explica o aumento de violência irracional nos últimos anos.

Estamos vivendo a melhor época da humanidade desde todos os tempos. Seremos testemunhas e agentes da maior transformação de consciência jamais imaginada.
Informe-se, desperte sua vontade de conhecer estas questões. A ciência sabe que algo está acontecendo, você sabe que algo está acontecendo. Seja um participante ativo. Que estes acontecimentos não o deixem assustado, por não saber do que se trata.

6 de dez de 2010

Par perfeito

Hehehe, achei bonitinho e compartilho...

Par perfeito

Era uma vez um anjinho muito distraído chamado AMOREL, que recebeu uma incumbência de Deus:

- AMOREL, acabo de inventar os humanos. Eles estão classificados como homem e mulher, cada um tem seu par perfeito e já estão todos alinhados de par em par. Pegue esta bandeja com humanos e leve para que eles habitem a Terra.

AMOREL ficou contente pois, há muito tempo, o Senhor não o chamava para tão nobre trabalho. O anjinho pegou a bandeja e ao virar uma esquina lá no céu, trombou com uma anjinha chamada AMANDA.
A bandeja voou longe, e todos os casais de humanos se misturaram.

AMOREL e AMANDA ficaram desesperados e foram contar para Deus o ocorrido e o Senhor falou: - Vocês derrubaram, vocês juntarão! Porém, parece que Deus se esqueceu que os anjinhos eram distraídos. E é por isso que a cada dia os casais se juntam e se separam. Os dois anjinhos, trabalham incessantemente para que os pares perfeitos originais se encontrem.

O trabalho é muito difícil, tanto é, que por muitas vezes eles juntam pares errados, pois os humanos espalhados ficam inquietos e cobram o serviço dos anjinhos, o tempo todo. Quando os humanos se mostram muito desesperados, os anjinhos unem dois desesperados, mas logo depois percebem o engano e os separaram, e por muitas vezes, esta separação é brusca, pois não se tem tempo a perder.

Recebi um bilhete dos dois anjinhos e vou mandar pra você agora.

"Se você é um humano, queremos pedir desculpas pela nossa distração, pois errar não é só humano! Estamos trabalhando com empenho, porém, sempre contando com a ajuda de vocês. Não se desesperem mas também, não se isolem.

Tentem se mostrar realmente, quem é cada um de vocês, pois a medida que cada um mostrar o que é de verdade, vai tornar o nosso trabalho mais fácil.
Aproveitamos a oportunidade, para nos desculpar pelas separações abruptas, sabemos que elas geram muito transtorno, mas se nós o separamos de alguém, é por que em algum canto vimos alguém bem mais parecido e por isso precisamos isolá-los para facilitar o encontro."

Autor desconhecido

9 de nov de 2010

Eu chamo a Força...

É incrível a Força e o Poder de UNIDADE que esta música transmite.
Compartilho este maravilhoso vídeo que recebi do meu amigo Gil Gosch. Grata irmão.
Grata também a alma sensível que editou este vídeo e a Orestes pela Canção que toca meu coração:

1 de nov de 2010

A idade de ser feliz


Existe somente uma idade para a gente ser feliz,
somente uma época na vida de cada pessoa
em que é possível sonhar e fazer planos
e ter energia bastante para realizá-las
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda intensidade
sem medo, nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar
e recriar a vida,
a nossa própria imagem e semelhança
e vestir-se com todas as cores
e experimentar todos os sabores
e entregar-se a todos os amores
sem preconceito nem pudor.

Tempo de entusiasmo e coragem
em que todo o desafio é mais um convite à luta
que a gente enfrenta com toda disposição
de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.

Essa idade tão fugaz na vida da gente
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa.

Mario Quintana*

20 de out de 2010

O Nascimento da Borboleta de Ouro

Contemplando o nascimento da Borboleta de Ouro,
A Menina, maravilhada, como quem bate palmas,
Tomada por imensa alegria e encantamento,
Pergunta aos Pais como isto foi possível.

Como aquela lagarta branca e cabisbaixa,
Que caminhava com lentidão
Entre uma folha e outra,
Pôde tornar-se tão bela e Formosa?

Como aquele ser que apenas rastejava
Pôde tornar-se a Graciosidade de Asas Douradas,
Que voa pelos Céus Iluminados,
Indo de flor em flor em vôos elegantes?

Então os Pais, sorrindo e contentes, responderam
Que ela se tornou naquela Estrela de Luz
Justamente porque ela acreditou na Sua Vida,
Por manter uma fé inabalável no Seu Ser.

Enquanto ela via os pássaros a voar,
Ou os insetos a zunir para todos os lados,
Ela, a lagarta, não se entristeceu, continuando
A alimentar-se conforme os desígneos do Seu Coração.

Enquanto todos pareciam estar a divertir-se,
Cantando, trabalhando, brincando e amando,
Ela, a lagarta, com fé em Si Mesma,
Retirou-se e fechou-se no seu Casulo.

É verdade que também teve momentos de dúvidas,
Perguntando a Si Mesma o que fazia naquela Caverna Escura;
Por vezes até chorou, não compreendendo
O que se passava ou a razão de tudo aquilo.

Acusava-se de vez em quando de estar a fugir da vida,
Ou de ter nascido com algum problema genético
– Sim, as lagartas também se preocupam com isso! –,
Mas persistia naquilo que sentia ser o Seu Destino.

E de tanto meditar na Essência de Si Mesma,
Livrou-se dos sonhos dos outros seres vivos,
Tanto dos pássaros e dos insetos,
Como também até de outras lagartas, mais fortes e vistosas.

Permaneceu lá, meditando concentrada no seu Coração,
Sentindo mudanças sutis em todo o seu Ser,
O seu organismo transformando-se
Como se uma doce energia o fosse modelando.

Eis então que, como que por divina mágica,
A lagarta, que estava cintilando em Autêntica Fé,
Sentiu que aquele era o momento de fazer força
Contra o Casulo que lhe era agora incómodo e apertado.

Abriu, então, as suas Asas de Ouro Solar,
E, como uma estrela em chamas,
Alçou o seu primeiro vôo, tão naturalmente
Como se ela sempre tivesse sido uma Borboleta.

Os pássaros que a viram julgaram-na divina,
Os insectos, em perplexidade,
Não sabiam de onde ela havia tirado
Aquele par de asas, como as de um Anjo de Luz.

As demais lagartas fitavam-na das folhas verdes,
Com alguma vaga intuição a indicar-lhes
Que aquela Borboleta de Ouro
Era o futuro reservado a cada uma delas.

Não imaginavam como seria possível
Tornarem-se tão esplêndidas como aquela Borboleta,
Só sabiam que ansiavam em muito
Pelo Processo que as conduziria até Ela.

Algumas das lagartas até rezavam
Para a imagem da Borboleta de Ouro,
Acalentando nos seus Corações
A doce Presença daquele Ser de Luz.

E as que faziam assim
Já adentravam o Casulo
Em Felicidade de Encantamento,
Contentes pelo tão aguardado momento.

Fluiam na Divina Experiência
Sabendo que tudo estava certo,
Que mesmo que não compreendessem,
Havia quem as compreendia e protegia...

Esta é a História Sagrada
De todas as Borboletas,
Não apenas da Borboleta de Ouro,
Como também das de todas as Cores.

Esta, minha Menina Linda,
- Falavam os doces Pais -
É a História de todos nós,
A História de toda a Humanidade.

Que temos de aprender a Confiar
Na sacralidade do nosso Ser,
Que Ele nos conduzirá, carinhosamente,
Para um incrível futuro de Luz.

Um futuro que nos dará Asas
Como que pela ação de um Milagre,
Que nos encerra em um Casulo
Para nos tornar Sagradas Borboletas de Ouro.

Marcel Cervantes

Beijo na Alma


Você sabe o que é um beijo na alma?
Não? Eu vou lhe explicar:
Um beijo na alma não é como um beijo no rosto, na boca ou em qualquer outra parte do corpo.
O beijo na alma é aquele que entra na mente através de palavras impulsionadas pelo sentimento AMOR
Chega até o coração, onde fica gravado com ponta de diamante.
É um beijo simples e singelo que às vezes passa desapercebido, mas quando encontra um coração quebrantado, ele se torna como um manancial no deserto.
É um beijo puro, genuíno, sem malícia, agradável, afável, amigo, aconchegante, que nos traz paz.
É como se o dedo de Deus, estivesse tocando o seu coração.


Autor desconhecido

13 de out de 2010

Nós Somos da Mesma Aldeia

 

Nós Somos da Mesma Aldeia
 
todo brasileiro é índio
índio já foram milhões
este Brasil mestiço
é a soma de muitas Nações
e cada dia que nasce
nasce uma nova Nação
os meus traços na face
as mesmas linhas na mão
sem bordunas
sem tacapes
só o som dos atabaques
e a roda de se dançar
sem flechas
sem canhões
só o som dos corações
e a vontade de abraçar
sem feitor
sem capataz
só o som dos maracás
e o canto da lua cheia
sem medo
sem violência
só o som da consciência
nós somos da mesma Aldeia.
Eliakin Rufino
Roraima

Crianças Guarani

Anjo das Crianças ...

As Kyringué (Crianças) são consideradas pelos Mbyá Guarani, veículo de poder e transformação. Representam sabedoria, a vontade dos deuses. Ter filhos significa que as divindades continuam dispostas a manter as relações com os seres deste mundo, fortalecendo os Mbyá na busca pela Terra Sem Males.Esta busa se faz concretamente pelos constantes deslocamentos das pessoas Mbyá em direção ao leste, tendo como limite a região litorânea Serra do Mar/Mata Atlântica. Considerada a morada dos antepassados e componente intrínseco da Cultura Mbyá, a região das Matas é de onde a população Indígena tira componentes fundamentais de sua sustentabilidade simbólica e material.A caminhada à Terra Sem Males decorre da produção de um corpo socialmente disposto à Mborayú(reciprocidade), e constituido por este sentimento de um amor maior que surge quando se tem filhos.O nhembojeroviá, o saber/sentimento de como se comunicar com a natureza, o respeito profundo, se aprende quando se tem filhos.A vinda de uma criança(mitã) independe dos Pais.Ela nasce por desejo das Divindades, com objetivos,para ensinar,para fazerem os adultos pensarem mais.Ter filhos, legitima a pessoa Mbyá para realizar tarefas de liderança ou criativas,como coordenar um grupo de cantos e danças e criar com sua ajuda novos cantos..

Tenho esperança no anjo das crianças (Nhambojeroviá Kyryngué nhe'e)

Para alcançar a Terra sem Males (Yvy ju mirim jaupity aguã)

O fruto da Terra vai gerar alegria e harmonia(Jaupity aguã)

Não somente Hoje, mas sempre, estes "SÃO OS ANJOS" QUE NOS MOSTRAM OS CAMINHOS...ATRAVÉS DE SUA INOCENTE FORMA DE SER, NATURALMENTE..SER..SEM BUSCAR TORNAR-SE..

À Todas as CRIANÇAS de ontem hoje e sempre..UM NOVO AMANHECER DE PAZ! Pyaguapy e Mborayú

Fonte:
Recebido de Liana Utinguassú
Livro Yvy Poty Yva'á (Flores e Frutos da Terra) Mbyá Guarani


Visite Yvy Kuraxo - Coração da Terra em: http://yvykuraxo.ning.com/?xg_source=msg_mes_network

As crianças
Por Neide Rigo  

Qualquer goiabeirinha caída vira brinqueco coletivo

Sabem aquelas crianças que fazem birra, berram, correm, tropeçam na sua canela, gritam porque querem, esperneiam porque não querem, tomam o brinquedo do amiguinho, dizem a todo momento é meu, eu quero, não vou, não dou? E aquelas mães estressadas gritando com os filhos, tentando dominar os tiraninhos? Estas situações entre os Guarani não existem. Eles falam baixo, não gritam com as crianças (não ouvi um só grito de adulto ou criança e ninguém fica tagarelando um com o outro a todo momento - adultos passam horas sentados um do lado do outro sem conversar). As crianças são tranqüilas, meigas, alegres, resolvidas, generosas (em vários momentos vi crianças dando um pedaço do que estava comendo para outra que nem pediu nada). Todos os adultos cuidam das crianças que parecem não ter um pai ou uma mãe - mas, vários ao mesmo tempo. Tive a impressão de que saem do peito para o páteo: caem, se levantam, brincam e comem com a maior autonomia e respeito pelos adultos. São as crianças mais educadas que já vi até hoje.
Este pequeno não desgrudou do violãozinho durante o tempo em que estivemos lá.
 
A música tem presença forte entre os Guarani. O canto é presente de Nhanderu (o Deus maior) e pode ser recebido pelas crianças, espíritos puros e sem maldade. Eles são enviados também por revelações a qualquer índio. Mas, em todos os casos, o canto pertence à aldeia e não à pessoa que o recebeu. Às vezes, no páteo, ouve-se um coral de 50 vozes e você acha que pode haver por ali um aparelho de som potente. Quando vai conferir, são 3 ou 4 meninas cantando em coro e fazendo passinhos, com acompanhamento de corda e percussão. É de chorar.

O coro desta aldeia talvez vá para o próximo Terra Madre, na Itália. Se quiser conhecer a música celestial destes Guarani, compre o cd aqui. É o que toca agora enquanto escrevo.
Para saber mais sobre os Guarani Mbya, veja este site.


Fonte: Come-se

6 de out de 2010

O filho é o reflexo da sombra da mãe*

Durante os primeiros dois anos de vida, os bebês refletem as emoções e os sentimentos inconscientes de suas mães.

Um tempo de revelações, de experiências místicas, uma oportunidade para o auto conhecimento, para mergulhar nos aspectos ocultos da psique feminina. Um tempo em que as luzes e sombras emergem e explodem como um vulcão em erupção. É a loucura indefectível e um “não reconhecer-se” a si mesma, porque, desde o momento do parto, a alma da mulher se desdobra e se torna mamãe-bebê, bebê-mamãe ao mesmo tempo.

Isso é também a maternidade, segundo a inovadora e certamente polêmica visão da psicoterapeuta familiar argentina, especializada em crianças, Laura Gutman, autora do livro “A maternidade e o encontro com a própria sombra”.
Seu livro, longe de pretender ser um guia para mães desesperadas, é um convite para que as mulheres repensem as idéias preconcebidas, os preconceitos e os autoritarismos, encarnados em opiniões discutíveis sobre o parto, os cuidados com os bebês, a educação, as formas de vincular-se e a comunicação entre adultos e crianças.

Entrevista VERÓNICA PODESTÁ

Social e culturalmente, a idéia que se apresenta às mães sobre a chegada de um novo ser é de um fato ideal, feliz e luminoso. È necessária certa audácia para encarar o tema a partir de um “encontro com a própria sombra”. A que você se refere exatamente?
É claro que a sociedade ou o inconsciente coletivo tentem colocar a maternidade num leito de rosas. Quanto mais uma mamãe “compre” esta visão unilateral, mais impactante e mais brutal resultará para ela o encontro com os lugares obscuros que aparecem depois do parto e no puerpério. Eu encaro a maternidade como uma crise, como um rompimento que se produz no parto e nessa quebra se colam partes da sombra, ou seja, pedacinhos de alma ocultos ou desconhecidos até então, que se manifestam através do bebê. Ele se converte em espelho cristalino dos aspectos mais ocultos da mãe, de sua sombra. Por isso, o contato profundo com um bebê é uma grande oportunidade que se deve aproveitar ao máximo.

De que maneira a sombra da mãe se manifesta através do bebê?
Quando um bebê nasce se produz a separação física, mas este corpo recém nascido não é só matéria, mas também um corpo sutil, emocional, espiritual. Ainda que a separação física efetivamente se produza, bebê e mãe seguem fusionados no mundo emocional. O bebê se constitui no sistema de representação da alma da mãe. Tiudo o que a mãe sente, recorda, o que a preocupa, o que rechaça, o bebê o vive como sendo próprio. Porque nestes sentido e momento são dois seres em um. Então a mãe atravessa esse período desdobrada no campo emocional, já que sua alma se manifesta tanto em seu próprio corpo como no corpo do bebê. E o mais incrível é que o bebê sente como próprio tudo o que sente a sua mãe, sobretudo o que ela não pode reconhecer, o que não reside em sua consciência, o que foi relegado à sombra. Então, se um bebê adoece ou chora desmedidamente, ou se está alterado, além de fazermos perguntas no plano físico será necessário atender o corpo espiritual da mãe, reconhecendo que a enfermidade da criança manifesta uma parte da sombra da mãe.
E como a mãe pode canalizar esta manifestação do bebê para seu próprio crescimento?
Se um bebê chora demasiadamente, se não é possível acalmá-lo nem amamentando-o nem aninhando-o, enfim, depois de cobrir as necessidades básicas, a pergunta seria: Porque chora tanto a sua mamãe? Se o bebê não se conecta, parece deprimido, quais são os pensamentos que inundam a mente de sua mãe? Se um bebê rechaça o seio, quais são os motivos que pelos quais a mãe rechaça o bebê? As respostas residem no interior de cada mãe, ainda que não sejam evidentes. Para ali devemos dirigir nossa busca, na medida que a mulher tenha uma genuína intenção de encontrar-se consigo mesma.
Este estado de fusão emocional dura dois anos, tempo em que a mãe experimenta estados alterados de consciência por viver desdobrada em vários campos emocionais. Esta é a loucura do puerpério.

Por que dois anos? Comumente se fala do puerpério como um período que dura cerca de 40 dias.
Se considera puerpério aos primeiros quarenta dias depois do parto, porque se toma como parâmetro a cicatrização da episiotomia, a interdição sexual ou moral, para que o homem não queira exigir genitalidade à mulher. Eu creio que é um fenômeno emocional. Enquanto dura a fusão emocional, dura o puerpério. Por volta dos dois anos a criança começa a separar-se emocionalmente de sua mãe. Até então era bebê-mamãe, um ser totalmente fusionado, que fala de si na terceira pessoa: “Matias quer água”. Aos dois anos começa a dizer “Eu quero água”. Quando se constrói como um ser separado, começa lentamente a separar-se emocionalmente.

Como nasce sua teoria?
Sinceramente, não sei quando nem como nasceu minha “teoria”, já que não a vivo como “teoria”, mas sim como uma prática constante. Basicamente através da observação de centenas de mães se relacionando com seus bebês. Foi muito revelador para mim, quando há cerca de 20 anos li o livro “A Enfermidade como Caminho”, de Dethlefssen e Dahlke, um médico e um astrólogo alemães, ambos junguianos. Comecei a investigar as teoria de Jung em relação à manifestação da sombra, e ao sentir que as crianças pequenas estavam tão involucradas dentro do campo emocional das mães, e vive versa, me ocorreu observar se o que manifestavam – e que eram muitas vezes incompreensíveis para as mães – poderia ser a expressão de situações emocionais que elas não poderiam reconhecer como próprias. É muito frequente que as mães não falem de si mesmas nas consultas, mas sim do que está acontecendo com seus filhos. E foi cada vez mais evidente para mim, que este “jogo” era permanente. Por exemplo, quando eu coordenava grupos de crianças e algum bebê estava muito inquieto, eu tentava induzir à mãe a um olhar interno, íntimo, até que “tocava” num ponto doloroso pessoal, de sua história primária. Mesmo que considerasse que o assunto estava “superado”, quando conseguia falar sobre o tema, o bebê automaticamente parava de chorar. E o grupo era testemunho desta “magia”. Mas não era nada mágico, era a mãe que se apropriava de uma parte de sua sombra, que o bebê estava, de outro modo, obrigado a manifestá-la. Aos poucos fui aprendendo a reconhecer mais rapidamente a linguagem dos bebês e crianças pequenas “fusionadas” ao campo emocional da mãe. Na realidade, o verdadeiro trabalho de busca quem o realiza é a mãe, o meu papel é só o de apoiar a busca genuína, porque cada indivíduo sabe profundamente o que lhe passa. Os bebês são seres sutis, por isso manifestam com total espontaneidade. Neste sentido são verdadeiros espelhos da alma.

Em seu livro você faz uma distinção entre a dor como algo necessário e positivo para o crescimento, e o sofrimento, desnecessário de destrutivo. Que diferença há entre um e outro?

Quando falo da diferença entre dor e sofrimento, me refiro ao parto em si mesmo. Hoje em dia quase todas as mulheres parem anestesiadas, em partos “induzidos” pela introdução de ocitonina sintética, para regular a duração e a intensidade das contrações. Em geral a mulher não é respeitada, não lhes permitem mover-se, caminhar, comer, ir ao banheiro; ela está atada à cadeira de parto que é terrivelmente incomoda, lhe acomete câimbras nas pernas, lhes rasgam, entram muitas pessoas, médicos e paramédicos, enquanto a mulher está com os genitais expostos, há pouca afetividade e nenhuma intimidade. O marido está atuando, fazendo de conta que é um bom pai moderno. É tanto sofrimento, que as mulheres, ao invés de pedirem contenção, abraços, calor, amor, silêncio, música, água, algo doce para a boca, suavidade... pedem aos gritos por anestesia. E recebem
Se pudéssemos imaginar um parto acompanhado verdadeiramente, com liberdade de movimento, na data verdadeira (ainda que “se atrase”), em intimidade, com uma ou duas pessoas do círculo mais íntimo, a dor seria então o veículo para o recolhimento, para a introspecção, para sair do mundo das formas e entrar no mundo sem limites, sem palavras, sem luzes... é um momento de abertura de consciência. Assim a dor é suportável, é necessária, porque nos permite “sair” do mundo racional, e só fora do mundo racional se pode parir em liberdade. As mulheres que parimos verdadeiramente em liberdade, é que podemos contar o que é o paraíso.

Não há modelos nem receitas sobre como ser mãe no Século XXI. Qual você crê que seja o maior desafio para as mulheres de hoje?

É certo que na há modelos. O que podemos chamar tradicional, ou seja o que viveram nossas avós, se refere à dona de casa que criou filhos e criou o marido. Muitas delas foram escravas dos desejos dos demais. Hoje em dia, alguma mulheres estamos num pólo aparentemente longínquo, trabalhamos todo o dia, ganhamos dinheiro, as vezes somos bem sucedidas, criativas, independentes. Quando aparece o primeiro filho, na minha opinião, se temos construída toda a nossa identidade no que chamo energia Yang – aspectos concretos do trabalho, dinheiro, relações sociais, etc - isto que nos traz o bebê não tem nada a ver com o “normal”... e tendemos a fugir para os espaços conhecidos: desesperadas para voltar a trabalhar, a ser que éramos antes. Para mim isto também é falta de liberdade interior.
É necessário revisar os acordos do casal anteriores ao nascimento do filho, quando somos capazes de apoiarmos-nos um ao outro e vive versa. Maternar é fundamentalmente conectar-se profundamente com a energia Yin, que é lenta, silenciosa, de tempos prolongados, redonda, quentinha, suave, interna, obscura, pegajosa... Navegar entre as duas energias é para mim um dos principais desafios para as mulheres modernas. Nem fugir do desconhecido, nem alheiarmo-nos do mundo, infantilmente como nossas avós. E saber que há outras pessoas ao redor para ocupar certos espaços por um tempo: o homem será a sustentação para que a mulher possas maternar. E se não há um homem maduro, haverá outras redes, família, amigos, grupos de apoio. Não se pode maternar sem sustentação. Não se pode maternar sem fusão emocional. Não se pode maternar sem buscar o próprio destino.

Publicado em UNO MISMO.

DESTAQUES

“Ainda que a separação física efetivamente se produza no parto, bebê e mãe seguem fusionados no mundo emocional. O bebê se constitui no sistema de representação da alma da mãe”.

“Se um bebê chora demasiadamente, se não é possível acalmá-lo nem amamentando-o nem aninhando-o, a pergunta seria: Porque chora tanto a sua mamãe? Se o bebê não se conecta, parece deprimido, quais são os pensamentos que inundam a mente de sua mãe? Se um bebê rechaça o seio, quais são os motivos que pelos quais a mãe rechaça o bebê?”

“Mesmo que considerasse que o assunto traumático estava “superado”, quando a mãe conseguia falar sobre o tema, o bebê automaticamente parava de chorar. Não era nada mágico, era a mãe que se apropriava de uma parte de sua sombra, que o bebê estava, de outro modo, obrigado a manifestá-la”.

“As mulheres que parimos verdadeiramente em liberdade, é que podemos contar o que é o paraíso”.

“Maternar é fundamentalmente conectar-se profundamente com a energia Yin, que é lenta, silenciosa, de tempos prolongados, redonda, quentinha, suave, interna, obscura, pegajosa... Navegar entre as duas energias, Yin e Yang, é para mim um dos principais desafios para as mulheres modernas”.

“Não se pode maternar sem sustentação. Não se pode maternar sem fusão emocional. Não se pode maternar sem buscar o próprio destino”.

PARIR EM LIBERDADE


“Meu segundo parto foi em Paris, com o doutor Michel Odent. Tinha data para o dia 3 de março, mas no dia 26 começaram as contrações. Como o trabalho de parto, que durou 24 horas, se prolongava, a parteira do hospital me tomou pelo braço e me levou correndo à sala “de partos selvagens”, como a chamavam eles: colchão no chão, almofadas, paredes de madeira, posters e um ...aparelho de som!
Uma mulher de cabelo grande e negro estava parada, sustentada por outra parteira, puxando. Ao ver nascer ao seu bebê, senti o cheiro do sangue fresco e me invadiu tal emoção que acelerou minhas contrações. Minutos depois terminei minha dilatação. Estava meio parada, mas a força do PUJO me fazia ficar acocorada, quase no chão. Vi aparecer meu bebê e o tomei com meus braços enquanto saía suavemente do canal de parto. O bebê nunca chorou. Só sorria. O coloquei no peito, eu chorando. Fio a força do parto de uma mulher desconhecida que me ajudou a “soltar as amarras de meu controle” e possibilitou a entrega.
Depois voltei caminhando para o quarto com meu bebê nos braços.”

PARA SABER MAIS
Laura Gutman é argentina, terapeuta familiar e escritora.

Tem onze livros publicado, em vários idiomas, além de incontáveis artigos sobre maternidade, paternidade, vínculos primários, desamparo emocional, adicções, violência e metodologias para acompanhar processos de busca pessoal. É colaboradora habitual de numerosas revistas na Argentina e Espanha.
Para difundir e aplicar suas idéias, Laura fundou e dirige “Crianza”, uma instituição com base em Buenos Aires, na qual funciona uma Escola de Formação Profissional para profissionais da saúde e educação, grupos de mães, um serviço de “doulas” (assistentes a domicílio) para mulheres puérperes, seminários breves para profissionais, terapias individuais e de casal e publicações sobre maternidade.
Viste seu site: www.crianza.com.ar

* Entrevista a Laura Gutman, extraída do site Espaço Saúde
Fonte de pesquisa: http://www.partosemmedo.com/

Campanha de Incentivo ao Parto Normal

Campanha de incentivo ao parto normal - Dez Dicas Fundamentais
http://www.rcmnormalbirth.org.uk
“Juntos, podemos mudar a maneira como o parto acontece”. Esta Campanha visa inspirar e apoiar a prática do parto normal. É um lembrete de que é possível ter uma boa experiência durante o trabalho de parto e o parto em si, apesar dos desafios. As intervenções e cesarianas não precisam ser a primeira escolha – ao contrário, devem ser a última.


O RCM acredita que a política de maximizar o parto normal nas escolhas das mães é segura e oferece benefícios a curto e a longo prazo para as mães, as crianças, as famílias e as comunidades. Esta política pode ser ainda mais exitosa se o parto e o trabalho de parto forem inseridos num contexto social e familiar.

1. Espere e Observe
A prática que melhor ajuda a mulher a ter um parto normal é a paciência. Mas, para que a fisiologia siga seu curso normal, temos que confiar plenamente em nosso conhecimento e em nossa experiência. Para isso, devemos adquirir mais conhecimentos sobre o parto normal – e saber exatamente quando agir.

2. Faça o Ninho Dela
Os mamíferos escolhem um lugar quente, seguro e escuro para dar à luz – os seres humanos também. Mas o importante é a sensação de segurança e confiança, não o ambiente em si. Quando encontramos formas de ajudar as mulheres a se sentirem mais à vontade e confiantes, aumenta significativamente a probabilidade delas terem um parto normal.

3. Tire-a da Cama
A gravidade é a nossa maior aliada durante o parto e o trabalho de parto. Em nossa sociedade, no entanto, as mulheres dão à luz deitadas e de costas, por razões históricas e culturais que já estão obsoletas. Por isso é preciso ajudá-las a entender e a testar posições alternativas durante o pré-natal, e propiciar condições para que elas se sintam livres para adotar diferentes posições no trabalho de parto e no parto em si.
Quando a parturiente estiver confortável, evite fazê-la mudar de posição, a não ser que ela deseje ou que a posição seja inadequada para o feto - e não por razões organizacionais. Se for realmente necessário fazer um exame vaginal, é possível realizá-lo com ela sentada em uma cadeira.

4. Justifique Cada Intervenção
Tecnologia é algo maravilhoso, exceto quando atrapalha. O que estamos começando a entender sobre as admiráveis tecnologias obstétricas é que muitas vezes uma intervenção deste tipo acarreta a necessidade de outras intervenções tecnológicas. Isso desencadeia uma cascata de intervenções que terminam num parto não normal. Temos que nos perguntar “Isto é realmente necessário?”. E somente utilizar uma intervenção quando indicada.

5. Ouça o Que Ela Tem a Dizer
As mulheres são a melhor fonte de informação sobre as suas próprias necessidades. Entretanto, numa cultura medicalizada na qual o profissional “sabe melhor o que é bom para a paciente”, quando durante a consulta a mulher permanece “passiva”, o profissional não sabe fazer as perguntas certas. Por outro lado, estamos perdendo a capacidade de decifrar os sinais não verbais da parturiente: sua linguagem corporal, seus gestos, sua expressão, os ruídos que ela emite e assim por diante. Precisamos conhecê-la, ouvir o que ela tem a dizer, compreendê-la, falar com ela e pensar sobre como estamos contribuindo para que ela saiba que é capaz.

6. Mantenha um Diário
A assistência ao parto é às vezes um bombardeio de experiências, o que torna difícil lembrar o que aconteceu na semana passada – e ainda mais no ano passado. Porém, uma das melhores fontes de aprendizado são as nossas próprias observações. Sobretudo quando podemos revê-las e perceber o que aprendemos e descobrimos desde então. Por isso, manter um diário é uma das melhores maneiras de consolidar a nossa experiência. Escreva o que aconteceu hoje: como você se sentiu, o que aprendeu. Depois, reveja o que escreveu na semana passada, no mês passado, no ano passado.

7. Confie na Sua Intuição
A intuição é o conhecimento procedente de uma multidão de percepções sutis. Quando usamos os nossos sentidos: audição, visão, olfato e tato – e ficamos atentos aos nossos sentimentos – nossas percepções começam a formar um padrão. A partir da experiência e da reflexão, passamos a entender o que esses padrões significam – podemos notar e prever o progresso da parturiente, suas necessidades e sentimentos.

8. Seja um Modelo
Nosso comportamento influencia os outros. Ao colocar em prática as nove outras dicas deste folheto (e ao mostrar que estamos colocando-as em prática) damos um bom exemplo. A obstetrícia requer profissionais que exemplifiquem as práticas, o comportamento e as atitudes que facilitam o parto normal. Comece a ser um modelo a partir de hoje!

9. Tranquilize-a, Seja Positva

oções fazem parte do processo normal de dar à luz. Você acredita na capacidade e no poder das mulheres de parir de maneira natural? Até onde você está equipada para amparar e incentivar as mulheres através dos altos e baixos no processo de parto normal? Talvez você seja a única âncora contínua, fonte de segurança para a mulher – seja positiva.

10. Do Nascimento ao Abdômen – Contato Pele a Pele

A amamentação é facilitada quando a mãe e o bebê permanecem juntos – desde o nascimento. O contato imediato pele a pele permite que o bebê possa mamar quanto, quando e por quanto tempo quiser. Ele fica quentinho e chora menos. A mãe aprende a decifrar os sinais do bebê e o bebê retribui. A relação se torna carinhosa e amorosa – um vínculo duradouro começa com o contato pele a pele logo após o nascimento.

Parto no Ninho

Dydy na Pais & Filhos


Depois de ter os dois filhos em casa, Dielly ficou apaixonada pelo momento do parto. Tanto que se especializou em obstetrícia, para ajudar outras mulheres a sentirem o que ela sentiu

Não foi difícil escolher o parto domiciliar. Sendo enfermeira, conheço bem o ambiente hospitalar e eu queria mais do que um parto normal convencional.

Em 2002, engravidei de meu primeiro filho. Não se falava ainda em parto domiciliar. Procurei uma enfermeira obstetra e comecei a estudar e a me apaixonar por esta possibilidade. Queria minha mãe e meu marido por perto.

Não queria cobranças, ordens ou rotinas, mas sim respeito, segurança e, principalmente, paz. Precisava da certeza de que tudo seria como desejei, a menos que fosse absolutamente necessário. E foi o que tive.

Meu primeiro filho nasceu de um trabalho de parto de quase 24h. Doeu, pensei em anestesia, cesárea, mas tinha comigo as pessoas mais importantes de minha vida por perto. O parto foi na água, e assim que meu filho saiu do meu útero, ele veio para meus braços. Nenhum cuidado rotineiro como aspiração, vacina ou mesmo banho eram mais importantes do que aquele meu momento, o primeiro instante que vi meu filho tão esperado.

Sempre tive vontade de reviver aquele sentimento e ser mãe de novo, até que...Em 2007, engravidei novamente. Foi uma gravidez saudável e não quis saber o sexo até o parto, apesar de sentir claramente que seria uma menina.

Era um domingo de dezembro, e depois de uma soneca da tarde com meu marido, acordei com cólicas. Tomei um banho morno e quis caminhar, mas as contrações não passavam. Avisei a enfermeira que faria meu parto, a Helô, só porque prometi, mas não acreditava que estivesse em trabalho de parto. Como eu não sentia dor alguma, diferente do primeiro, não quis acreditar...

A parteira pediu pra eu ficar em casa e logo senti um estalo e alguma coisa escorrer. Quando vi, estava toda molhada: a bolsa havia rompido. Foi quando comecei a sentir um pouco de dor. Colocamos as músicas do Marcus Viana que planejei para o parto e fui relaxar. A Helô chegou em casa umas 23h, minutos antes do nascimento.

Este parto foi muito intenso. Senti dor, mas foi muito rápido. Em meia hora nasceu minha menina, toda envolta em cordão umbilical e cheia de saúde. Meu marido foi a primeira pessoa a tocar nela, ele a trouxe para meus braços. Nós a beijamos e a abençoamos. Foi muito especial.

Sou apaixonada pelo momento do parto. Eu sempre digo que o parto me transformou. No primeiro, dormi menina e acordei mulher. No segundo, dormi mulher e acordei deusa. Até a dor é importante.

Mas o que difere um parto normal hospitalar de um parto domiciliar é a liberdade. Já assisti vários partos hospitalares, mas nenhum deles foi natural, a começar por serem fora de casa, fora do ninho, ao contrário de qualquer outro mamífero.

Dificilmente há alguma privacidade, habitualmente há indução com ocitocina no soro, o que torna as dores insuportáveis, sem contar os procedimentos agressivos. E o pior é que raramente esses procedimentos são necessários, em detrimento da freqüência com que são realizados.

Meus partos mexeram tanto comigo que me especializei em obstetrícia e hoje ajudo outras mulheres a sentirem tudo que senti. Talvez por gratidão ao universo, talvez por dom. O fato é que o nascimento não é um evento médico: é natural e sagrado.
 
Fonte:

O que os americanos nunca mostraram de Michael Jackson

EARTH SONG by MICHAEL JACKSON (CENSURADO NOS EUA)

O vídeo é do single de maior sucesso de Michael Jackson no Reino Unido, que não foi nem "Billie Jean", nem "Beat it", e sim a ecológica "Earth Song", de 1996.

A letra fala de desmatamento, sobrepesca e poluição, e, por um pequeno detalhe, talvez você nunca terá a oportunidade de assistir na televisão: "Earth Song" nunca foi lançada como single nos Estados Unidos, historicamente o maior poluidor do planeta. Por isso a maioria de nós nunca teve acesso ao clipe.

Ou seja, o que não passa nos EUA, não passa no resto do mundo. Só mostram o que lhes interessa, e só assistimos o que eles querem.

Veja, então, o que os americanos nunca mostraram de Michael Jackson.
Filmado na Africa, Amazonia,Croácia e New York.

Emocionante!

“ A mente está sempre querendo alimentar-se para pensar. Ela procura alimento para sua própria identidade, para seu sentido de ser. É assim que o ego se cria e se recria continuamente.

Quando você pensa ou fala a respeito de si mesmo, quando diz “eu”, está se referindo a “eu e minha história”. Está falando do ego com seus gostos e desgostos, medos e desejos, o ego que nunca se satisfaz por muito tempo. Essa é a noção que a sua mente tem de você, condicionada pelo passado e buscando encontrar sua plenitude no futuro”.

Eckhart Tolle “ O poder do Silêncio”

Curso Ir Além

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA PAZ
ASSOCIAÇÃO CAMPUS UNIPAZ-SUL

Rua Miguel Couto, 237 – Menino Deus
51 3232-5590; 51 3232-5591 – unipazsul@unipazsul.org.brwww.unipazsul.org.br

É possível ver poesia em qualquer lugar!

Encontro na Lua Nova de Outubro - Círculo Sagrado de Visões Femininas

Clique na imagem para ampliar

Busque o Círculo mais próximo de você:
http://circulosagradodevisoesfemininas.blogspot.com

Shantala - vídeo original

Shantala - Tudo a ver

3 de out de 2010

Exercícios para Gestantes

OS EXERCÍCIOS
Por que são importantes
Eles facilitam o trabalho de parto, conservam o corpo da mulher, evitam dores
nas costas, culotes, flacidez e melhoram a circulação. Quando a grávida pratica
exercícios tem maior facilidade para recuperar o peso depois do parto

Quem tem restrições
Os exercícios devem ser bem acompanhados em mulheres com anemia,
sangramento, diabéticas, hipertensas ou que já tiveram parto prematuro
em uma gravidez anterior
VASOCAPILAR
Excelente para a circulação. A mulher fica deitada,
com pernas e braços para cima, e sacode as mãos,
os braços, os pés e as pernas. Com o exercício, a
placenta (fonte de alimentação e oxigenação do
feto) dificilmente envelhece. É um bom exercício
para hipertensas, para evitar inchaço, varizes e
hemorróidas
CONTRAÇÃO DA PÉLVIS
Essa atividade ajuda a posicionar o bebê corretamente. Com mãos e joelhos no
chão, a gestante deve fazer o mesmo tipo de esforço que o exercício de cócoras
CÓCORAS
Com ele, a mulher aprende a controlar o
músculo da pélvis e obter o seu relaxamento
na hora certa do parto. Nesta posição, a
grávida deve contrair e relaxar a pélvis, como
se estivesse segurando a urina.A atividade
também permite que o feto deslize melhor no
momento do nascimento
PONTE
Bom para evitar dor nas costas e no nervo ciático (no quadril), que costuma
incomodar as gestantes. Evita parto prematuro
SAPINHO
Bom para fortalecer os músculos abdominais e os da pélvis.Ajuda no controle
das forças na hora do parto
ALONGAMENTO
Para dor nas costas.
Sentada, a mulher
coloca as pernas
abertas para a lateral
e alonga para os lados
e para a frente
OUTROS EXERCÍCIOS
Caminhada sem muito esforço
físico, hidroginástica, natação e
bicicleta (ergométrica)

ATIVIDADES CONTRA-INDICADAS
Esportes competitivos, como basquete, vôlei, futebol
etc. Aeróbica de alto impacto. Durante a gravidez,
devido às ações hormonais e à retenção de líquidos, as
articulações ficam mais frágeis. Por isso, a grávida
deve evitar exercícios de alto impacto


Fonte: Hospital Santa Lucia

29 de set de 2010

Reiki em Hospitais no Mundo

Reiki é sucesso absoluto em hospital de Brasília

A Mestra Maria Tereza Cunha, de Brasília, é uma das líderes do Serviço Auxiliar de Voluntários (SAV), o qual desenvolve um projeto de atendimento no principal hospital do Distrito Federal, o Hospital de Base.
O atendimento com Reiki se expandiu pelo hospital, e hoje é uma realidade na neurocirurgia, no ambulatório da dor e cuidados paliativos, na cardiologia, no núcleo de fisioterapia, na pediatria, na cirurgia pediátrica, e na cirurgia geral, amplamento aceito e acolhido por funcionários, pacientes, acompanhantes, e especialmente pela diretoria, que conta com autorização da Secretaria de Saúde.
Além do atendimento com Reiki, o SAV organiza festas para os pacientes, celebrando datas como o Dia das Mães, dá assistência a pacientes financeiramente carentes e a sua famílias, e conta com 120 voluntários reikianos. Estamos treinando novos terapeutas, afirma a Mestra Maria Tereza, de forma que este serviço possa se expandir mais e mais por todo o hospital.
O Hospital de Base de Brasília é um dos mais elogiados da América Latina.
E-mail: contato@savbrasilia.com, telefone 61-3325 4601 begin_of_the_skype_highlighting 61-3325 4601 end_of_the_skype_highlighting.


Fortaleza, Ceará. As práticas integrativas e complementares em saúde pública no Hospital Distrital Gonzaga Mota - José Walter. Uma realidade no Sus
Francisco Osório Costa Júnior
A publicação da Portaria nº 971 de 03 de maio de 2006 que define a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, configura-se marco decisivo do processo de institucionalização destas abordagens no SUS, passando a ser a referência para a estruturação das PIC no sistema de saúde brasileiro. Com base nesta portaria, o Hospital Distrital Gonzaga Mota do José Walter se antecipou aos demais hospitais da Prefeitura de Fortaleza e criou um setor de práticas integrativas e complementares. O setor funciona há quase um ano no ambulatório de fisioterapia em caráter provisório na gestão do Diretor Geral Dr. Helly Pinheiro Ellery que se comprometeu, em breve, inaugurar um setor definitivo de Práticas Integrativas e Complementares para atender a todos os usuários do SUS. Dentro das práticas integrativas e complementares desenvolvidas no hospital destacam-se: Reiki, Shiatsu, Reflexologia, Massoterapia, e Magnified Healing. O ambulatório funciona de segunda a sexta-feira a partir das 17 horas no Setor de Fisioterapia e Terapias Complementares, sempre com horário marcado. São três profissionais formados pelo Espaço Ekobé em parceria com a Aneps, Cirandas da Vida, UECE e Associação dos Mestres de Reiki do Distrito Federal.
O público alvo é composto de usuários e profissionais do próprio hospital que procuram o setor. As principais queixas são: dores de coluna, tensão muscular, estresse, depressão, insônia, fobias, transtornos psiquiátricos, ansiedade, angustias etc. Quando o paciente chega ao setor, passa por uma anamnese onde são preenchidos os dados em ficha padronizada. A partir daí, o terapeuta escolhe a técnica apropriada para o paciente e a quantidade de sessões por semana. Muitos pacientes retornam por acharem melhoras no seu quadro clínico e por se sentirem acolhidos pelos terapeutas que os vêem como um todo. Mesmo assim, nós, terapeutas holísticos, sentimos certa dificuldade por parte de outros profissionais que, por não conhecerem as terapias complementares, não enviam pacientes para o setor. Espero que em breve essa barreira sobre as terapias complementares caia e prevaleça o bom censo.


Fortaleza, Ceará. O Espaço Ekobé encurta a distância entre a ciência e a sociedade
Dra. Vera Dantas

O Espaço Ekobé, que em tupi guarani significa vida, foi estruturado durante a 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em julho de 2005, em parceria com a UECE e a Secretaria Municipal de Saúde, onde estudantes, pesquisadores, cientistas, professores, enfim, a comunidade acadêmica pôde conviver com movimentos e práticas de Educação Popular e Saúde, buscando novas perspectivas que possibilitassem a superação da distância entre Ciência e Sociedade.
O Espaço Ekobé mantém desde 2006, no campus da UECE, um calendário de práticas como massoterapia, reiki, reflexologia, rezas, entre outras, disponibilizadas a estudantes, trabalhadores e pessoas das comunidades.
Um desses percursos, onde particularmente estivemos envolvidas, diz respeito à formação de cuidadores com a terapia reiki. Originária do Japão, inclui- se nas chamadas terapias energéticas (BARROS & TESSER, 2008), cuja base conceitual vincula-se, segundo Luz (2005), ao “paradigma vitalista”, onde noções como energia, sopro, corpo energético, desequilíbrios individuais, forças naturais e ’sobrenaturais’ têm papel importante, integrando natureza e homem numa perspectiva de macro e microuniverso, de forma a considerar a doença como ruptura de um equilíbrio interno (no microuniverso) e relacional.
Este paradigma configura o que Luz (2005) denomina sistemas complexos, como a medicina tradicional chinesa e a medicina ayurvédica, onde a percepção gerada pela experiência com o sofrimento impulsiona à necessidade de alguns outros conceitos para compreensão do processo saúde-doença, como a intuição, a energia vital, o holismo, entre outros, impondo-se a necessidade de repensar a prática dentro de um “novo” espaço ético. Ao mesmo tempo, os procedimentos utilizados em práticas como a do reiki contribuem para a harmonização e estímulo do potencial de reequilíbrio do ser, tendo como categoria central a saúde e não a doença, o que possibilita maior interação e compreensão das situações de crise vivenciadas pelas pessoas e apoio para as mudanças e aprendizados advindos dessa experiência do adoecimento, contribuindo assim para a “desmedicalização” e promoção da saúde. A terapia reiki baseia-se na harmonização de canais energéticos denominados chakras, por onde circula a energia vital que nutre órgãos e sistemas situados ao longo da coluna vertebral, mediante a imposição das mãos.
O processo formativo constituiu-se de momentos de discussão teórico-conceitual sobre o tema e a iniciação. São quatro os momentos da formação em reiki: o despertar - iniciação, a transformação, o mestre de si e, finalmente, a formação de mestre-professor, cuja dimensão ética é o aspecto central da discussão, feita com apoio em princípios como gratidão, confiança, honestidade, amorosidade e serenidade no tempo presente. Cada um dos seminários foi seguido por um período de aproximadamente três meses em que os reikianos realizaram aplicações semanais no Espaço Ekobé.
Esse percurso favoreceu a criação de vínculos entre o grupo de mestres reikianos formados, que está constituído por médicos da rede municipal, estudantes universitários da UECE e militantes de movimentos como a Rede dos Terreiros (SER I), movimentos de mulheres (SER VI), pastorais sociais (SER IV), movimentos de saúde mental (SER V), rede de terapeutas holísticos (várias regionais), movimentos de grupos espíritas e práticas de cuidado (SER VI) que há mais de um ano atua de forma permanente no Espaço Ekobé, contabilizando mais de quinhentos atendimentos no espaço propriamente dito e em eventos para onde o espaço se desloca com suas práticas. (DANTAS, 2008).
Na perspectiva de formar uma rede de terapeutas reiki no contexto da Secretaria Municipal de Saúde e das comunidades por onde giram as Cirandas da Vida, esse grupo de mestres reiki iniciou, em 2009, 150 pessoas nessa abordagem terapêutica. Isso implicou a inclusão do reiki em trinta unidades básicas de saúde, três CAPS e três hospitais municipais.
A caminhada das terapias complementares despertou o interesse da Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki do Distrito Federal, que congrega mestres e terapeutas reiki de todo o Brasil, e, enquanto entidade legitimada para credenciamento dessa modalidade terapêutica, a qual é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e considerada como atividade profissional pela Justiça do Trabalho desde janeiro de 2007.
Desse processo vivido no espaço Ekobé, surgiram outros espaços e instrumentos de sistematização das práticas educativas e de cuidado em saúde, como também de reorientação e democratização das políticas de saúde. A interface com a UECE possibilita interação dos vários movimentos e destes com as universidades.


Rio oficializa terapias naturais na rede pública de saúde
José Joacir dos Santos

O Estado do Rio de Janeiro publicou no Diário Oficial de 16 de junho de 2009 a Lei 5.471/2009, que inclui oficialmente as Terapias Naturais na rede pública de saúde do estado. Entre as terapias agraciadas estão: Massoterapia, Fitoterapia, Terapia Floral, Acupuntura, Hidroterapia, Cromoterapia, Aromaterapia, Oligoterapia, Geoterapia, Quiropraxia, Iridologia, Hipnose, Trofoterapia, Naturologia, Ortomolecular, Ginástica Terapêutica e Terapias da Respiração. Para que o profissional possa atuar na Rede Pública de Saúde, tanto no Rio de Janeiro como nos estados que seguirem essa tendência, precisa se filiar a uma entidade da classe da sua profissão, por exemplo o SATOSP (massagem, acupuntura) e a ASTEFLOR (florais) (www.asteflor.com). Este é um grande passo e os profissionais esperam que os demais estados sigam o exemplo do Rio de Janeiro, tendência que já ocorre em outros países. Veja a integra da Lei no site da ASTEFLOR (www.asteflor.com). Esta é mais uma razão pelo qual o Terapeuta Reiki precisa urgente se filiar a uma entidade da sua própria classe, como a Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki.


Reiki analisado pela Organização Mundial de Saúde.

Estudos em hospitais provam sem dúvidas, os efeitos terapêuticos do Reiki no reforço do sistema imunitário, combate ao stress, diabetes, esclerose múltipla, doenças reumatológicas, regeneração de tecidos (queimaduras, recuperação de fraturas e pós-cirurgico), supressão da dor e dos efeitos secundários de tratamentos como a quimioterapia e radiação nos pacientes de oncologia, diminuindo também a ansiedade proporcionando-lhes, assim, mais conforto emocional e mais força para combater a doença.

HOSPITAIS E CLÍNICAS ONDE O REIKI É UTILIZADO COMO MEDIDA TERAPÊUTICA
USA - Nos Estados Unidos, a técnica é aplicada no pré e pós-operatório com relatos de pacientes cardíacos que não tiveram depressão e apresentaram recuperação rápida. A terapia complementar é utilizada ainda em transplantados para evitar a rejeição, e em pacientes terminais, quando o reiki pode ajudar para uma morte mais serena e sem dor.
Northern Westchester Hospital, N York (NY) - pacientes em geral
St.John’s Riverside Hospital,Yonkers, N York - pacientes em geral
Memorial Sloan Kettering Cancer Center - N York - pacientes em geral
Sammuels Center for Comprehensive Care - St. Lukes-Roosevelt Center - N York
Morgan Stanley Children's Hospital of New-York Presbyterian: oncologia infantil
Columbia University Presbyterian Medical Center, New York: Tratamentos Reiki a pacientes indicados pelo centro cirúrgico (Columbia Integrative Medicine Program), pacientes de cirurgia cardiotoráxica e funcionários
Program for Children with Cancer – Columbia, N Yorkoncologia
New York University Medical Center, N York - Tratamentos reiki para crianças com câncer ou desordens do sangue (também cuidados posteriores), ambulatório pediátrico, esclerose múltipla, mulheres com incapacidades.
St. Mary's Hospital, Amsterdam, New York : Iniciações Reiki
Maitri Adult Day Health Care, Yonkers, N York - pacientes em geral
Suny Downstate – Brooklyn, N York - pacientes em geral
Coney Island Hospital, Brooklyn, N York - pacientes em geral
St Peters Health Care, Albany, N York - pacientes em geral
Crouse Hospital, Syracuse, N York - pacientes em geral
Body Mind Center, Thompson Health – Canandaigua, N York - pacientes em geral
Clifton Springs Hospital – C Springs, N York - pacientes em geral


Cooper University Hospital-Cooper Cancer Institute, Voorhees, New Jersey (NJ) – oncologia
Englewood Hospital and Medical Center, Englewood, New Jersey : pacientes em geral
Mountainside Hospital, Montclair, New Jersey - pacientes em geral
Center for Hope Hospice, Scotch Plains, N Jersey - pacientes em geral
Centra State Medical Center, Freehold, N Jersey - pacientes em geral
Morristown Memorial Hospital, Carol Simon Cancer Center, N Jersey - pacientes em geral
The Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio (OH) – oncologia, cardio, funcionários/pacientes no geral
Metrohealth Medical Center, Cleveland, Ohio - pacientes em geral
Foundation Center for Integrative Medidcine, Lyndhurst, Ohio - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital - pacientes em geral
Mercy Hospital - Portland - pacientes em geral
Baystate Franklin Medical Center – Greenfield, Massachusetts (MA) pacientes em geral
VNA and Hospice of Cooley Dickinson – Northhanpton, Massachusetts pacientes em geral
Beverley Hospital – Lifestyle Mang. Inst.- Danvers, Massachusetts - pacientes em geral
Brigham and Women’s Hospital, Boston, Massachusetts : oncologia, pré e pós-cirúrgico, familiares e pacientes, iniciações para funcionários (manual escrito pelas enfermeiras), estudo Massachusetts General Hospital, Boston, Massachusetts : grade curricular do corpo de enfermagem, tratamentos para funcionários e pacientes de terapias complementares.
Harvard University, Boston/Cambridge, Massachusetts: (Harvard Medical School -
Massachusetts Institute of Technology): Tratamentos no centro de câncer de Harvard, fucnionários dos serviços de saúde da universidade, (Reiki mencionado como a melhor prática por uma das companhias de seguro saúde que trabalha com a universidade),
Lowell General Hospital, Lowell, Massachusetts – oncologia
Children's Hospital Boston, Boston, Massachusetts pacientes em geral
Dana Farber Cancer Institute, Boston, Massachusetts - pacientes em geral
Spauling Rehabilitation Hospital Network, Medford, Massachusetts - pacientes em geral
Yale New Haven Children’s Hospital, New Haven, Massachussetts - pacientes em geral
Johns Hopkins Hospital, Baltimore, Maryland (MD): Terapias complementares na grade curricular do corpo de enfermagem
Carroll Hospital Center, Westminster, Maryland :saúde complementar - pacientes em geral
Memorial Hospital, Easton, Maryland - pacientes em geral
Frederick Memorial Healthcare, Maryland - pacientes em geral
Hartford Hospital, Connecticut (CT) : pacientes em geral
Yale-New Haven Hospital, New Haven, Connecticut :Reiki para famílias e UTI cardíaca, pacientes da cardiologia e da oncologia (acompanhamento - tratamentos posteriores)
Middlesex Hospital, Middletown, Connecticut - pacientes em geral
Stamford Hospital, Stamford, Connecticut : pacientes em geral
Windham Hospital, Willimantic, Connecticut : pacientes em geral
Norwalk Hospital Whittingham Cancer Ctr, Connecticut pacientes em geral
Concord Hospital, New Hampshire (NH) : tratamentos reiki para pacientes terminais
St. Joseph Hospital, Nashua, New Hampshire – oncologia
Wentworth Douglass Hospital, Dover, New Hampshire - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital, New Hampshire - pacientes em geral
Gifford Medical Center – Randolph, Vermont (VT) - pacientes em geral
Mt.Ascutney Hospital – Windsor, Vermont - pacientes em geral
Southwestern Health Care – Bennington, Vermont pacientes em geral
Inova Fairfax Hospital, Cancer Program – Falls Church, Virginia (VA) - pacientes em geral
Washington Hospital Center, Washington DC (WA) – oncologia
Center for Integrative Medicine at G.Washington University Hospital - D.C. pacientes em geral
Evergreen Hospice Services, Kirkland, Washington - pacientes em geral
Multicare Good Samaritan Home Health, Tacoma, Washington - pacientes em geral
York Hospital, York, Maine : pré, pós operatório e durante processo cirúrgico
California Pacific Medical Center (CA) - pacientes em geral
Saint Agnes Medical Center, Fresno, California : pacientes em geral
South San Diego Veterinary Hospital, San Diego, California : reiki para animais
Citrus Valley Medical Center, Covina, California - pacientes em geral
Sharp Memorial Hospital, San Diego, California - pacientes em geral
Hearst Cancer Resource Center, San Luis Obispo, California - pacientes em geral
St.Joseph’s Medical Center, Stockton, California - pacientes em geral
Duke Integrative Medicine – Durham – North Carolina (NC) - pacientes em geral
Frances Warde Health Service, Rosman, North Carolina - pacientes em geral
Heartland Hospice, Sugar Hill, Georgia (GA) - pacientes em geral
Allegheny General Hospital, Pittsburg, Pennsylvania (PA) - pacientes em geral
Banner Heart Hospital, Mesa, Arizona (AZ) - pacientes em geral
St.Andrew’s Children’s Clinic – Nogales, Arizona - pacientes em geral
Universisty Medical Center Corp., Tucson, Arizona - pacientes em geral
Tucson Hospital Center, Tucson, Arizona - pacientes em geral
Arizona State Veteran Home, Phoenix, Arizona - pacientes em geral
Henry Ford Macomb Hospitals, Clinton Township, Michigan (MI) - pacientes em geral
Reproductive Medical Assoicates – Troy, Michigan - pacientes em geral
St John’s Hospital Healing Center – Grosse Pointe Woods, Michigan - pacientes em geral
Abott Northwestern, Minneapolis (MN)- pacientes em geral
Edward Hospital Cancer Center – Naperville, Illinois (IL) - pacientes em geral
Hawaii Pacific Health-Wilcox Memorial Hospital, Lihue, Hawaï : pacientes em geral

INGLATERRA
University College London Hospitals - stress, desordens de humor, oncologia, endometriose
Southampton University Hospitals : oncologia
Aintree University Hospitals, Liverpool : assistência a idosos
Wallace Cancer Care - Addenbrooke’s Hosp-Cambridge University Hospitals : oncologia
South Tees Hospitals, Middlesbrough : oncologia
Prince's Found. for Integrated Health (HRH Prince Charles's foundation) : terapia complementar
Breast Cancer Care (charity) : terapia complementar - oncologia
Newham University Hospital, London : projeto de Reiki para funcionários e pacientes
Coventry Community Drug Team - pacientes em geral
St.Giles Hospice, North Lichfield - pacientes em geral

CANADA
University Health Network-Princess Margaret Hospital, Toronto e Ontario : oncologia (pacientes e familiares) – terapias complementares
Université de Moncton, Nouveau-Brunswick : Iniciações de Reiki no curriculum
Tilsonburg District Memorial, Ontario - pacientes em geral

AUSTRALIA
Sir Charles Gairdner Hospital, Nedlands, Western Australia : oncologia
Western Australia's Department of Health, Bunbury: programa de saúde para maiores de 55
St Patrick’s Care Centre, Fremantle, West Australia : recuperação de alcoolatras e drogados
Queensland's Health : relaxamento para funcionários do Central Highlands Health Services

ALEMANHA
CGG Klinik (Centrum für ganzheitliche Gynäkologie), Mannheim: Reiki para controle de dor e tratamentos oncológicos
St. Augustinus Krankenhaus, Düren : pacientes em geral
DRK Krankenhaus Lichtenstein (Red-Cross), Lichtenstein : pacientes em geral (fisioterapia)

SUIÇA
Groupe mutuel's Insurances (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
SWICA Insurance (Seguros): Pagamento de Tratamentos de Reiki (saúde preventiva)
Supra Insurance (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
ASCA (foundação para o reconhecimento e desenvolvimento de terapias alternativas e complementares) :certificação oficial para terapeutas Reiki
RME (registro de medicinas empíricas) : certificação oficial para terapeutas Reiki

SOUTH AFRICA
Constantiaberg Medi-Clinic, Plumstead - pacientes em geral

EGITO
Center Prof.Hisham Hussein Imam, MD, Cairo - pacientes em geral

PORTUGAL
Hospital de oncologia - Porto

BRASIL
Grupo Hospitalar Conceição - RS, conta com voluntários aplicadores de Reiki. Os voluntários atuam na Emergência, Acolhimento, Grupo do Câncer de Mama, Alívio da Dor, assistência espiritual, visitação aos leitos, Banco de Sangue, Hemodiálise, Unidade de Atenção ao Adolescente, Central do Voluntariado, Centro de Atenção Psicossocial Adulto e Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas.
Centro Infantil Boldrini – Campinas,SPwww.boldrini.org.br/site/como_voluntariado.asp - Terapias de suporte. Objetivo Central: oferecer aos pacientes internados no Centro Infantil Boldrini a Terapia de Suporte REIKI; oferecer relaxamento e bem-estar aos pacientes internados e/ou seus acompanhantes, através da aplicação da Terapia Reiki, sempre que eles aceitem e solicitem seu atendimento. Início em 2002, dentro do programa de Cuidados Paliativos, como Terapia Complementar. Posteriormente sua atuação foi ampliada para todos os pacientes do Hospital. Atuação nos leitos da Internação, UTI e TMO e na recepção do Hospital. Horário: das 9h às 19h, todos os dias da semana. Pré-requisito: ter 24 anos e formação em REIKI certificada. Cidade Universitária - Campinas – SP
Outros serviços: promoção de cursos para formação em Reiki, em parceria com o IPEB;
promoção de cursos de atualização para voluntários ativos.
Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco - consultório onde a comunidade pode receber atendimento a preço popular, com direito a anamnese e acompanhamento.
Mato Grosso do Sul: http://www.agorams.com.br/index.php?ver=ler&id=113342 - A Secretaria Municipal de Saúde está iniciando o processo para implantação da Terapia Reiki no Sistema Único de Saúde (SUS). No dia 26 de outubro, acontece na Fazenda São Jorge, no Sidharte Lua (Espaço Reiki), um encontro com profissionais de saúde de nível superior da Rede Municipal de Saúde.

Hosp.Santa Izabel - Bahiawww.correiodabahia.com.br/aquisalvador/noticia.asp?codigo=133291
Profissionais do Hospital Santa Izabel usam técnica oriental para reduzir tempo de internação
Mariana Rios
Além de exames e medicamentos, as mãos. É o que médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e assistentes sociais de uma instituição hospitalar centenária estão aprendendo através do reiki – técnica de aplicação de energia baseado na medicina oriental. A disposição das mãos sobre certos pontos do corpo de pacientes proporciona bem-estar, relaxamento, autoconfiança e alívio para a dor. Ontem, quando completou 114 anos, o Hospital Santa Izabel oficializou a prática do método nas unidades de atendimentos e também entre os funcionários. Os benefícios de um programa iniciado por voluntários há um ano estimularam a adoção da técnica como terapia complementar, baseada no desbloqueio de campos energéticos para facilitar a cura. Da unidade de oncologia pediátrica, a idéia se espalhou para todo o hospital, com o objetivo final de reduzir o tempo de internação. Foram capacitados 18 profissionais, que concluíram o curso de formação em dezembro de 2006, e estão em ação no hospital. “Os profissionais têm reconhecidos os benefícios da técnica, que consiste na aplicação de energia através da imposição das mãos”, explicou a médica Maria de Fátima Freira, que coordena o serviço de nutrição enteral e parenteral do hospital.
Reconhecido pelas Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU), o método foi oficialmente apresentado durante o Encontro de Práticas para Saúde Integral. No hospital, cerca de 60% dos pacientes aceitam a prática com bons resultados.
Qualquer paciente pode se submeter ao tratamento, já oferecido nas unidades de terapia intensiva (UTI) e apartamentos para diminuir a ansiedade. Similar ao que acontece na acupuntura – mas sem a ajuda das agulhas, o reiki possibilitaria a passagem da energia vital nos meridianos do corpo humano. Num ambiente tão cientificista, a técnica enfrenta resistência, como na sociedade em geral, em razão do desconhecimento da medicina oriental, que tem o equilíbrio da energia vital em sua base. “É uma mudança de foco de visão. Estamos intervindo para melhoria da qualidade de vida e do relacionamento pessoal”, ratificou Maria de Fátima, pontuando que o método não é utilizado como único agente de cura.
A psicóloga voluntária Renata Sims Coan – que iniciou o projeto pioneiro na unidade junto à unidade de onco-hematologia pediátrica Erik Loeff – comemora a expansão para outros hospitais da cidade. Ela conta que foram observados nos pacientes infantis relaxamento, mudança de humor, além de melhora na alimentação e no sono.
“Procuramos falar numa linguagem bem clara para os pais sobre o que estávamos propondo: passar energia pelas mãos para proporcionar sensação de bem-estar, sem cunho religioso. Além do Santa Izabel, o São Rafael e o Aristides Maltez mostraram interesse na terapia complementar”, contou Renata. O atendimento é individual e realizado no leito. companhantes e pais, e mesmo pacientes, que podem se auto-aplicar, se mostraram interessados em também aprender a técnica e receberam treinamento gratuito dos voluntários.

O Ministério do Trabalho, no Brasil, reconheceu o Reiki como profissão isolada, enquadrado dentro das atividades de práticas integrativas e complementares em saúde humana, recebendo o código 8690-9/01 da CONCLA (Comissão Nacional de Classificação), órgão responsável pela classificação de profissões e ligado ao Ministério do Trabalho e ao IBGE.
Sou médico há 17 anos, formado pela Faculdade de Ciências Médicas da UERJ. (...). Trabalho no Hospital Pedro Ernesto (HUPE), também na UERJ. Sou lotado na Disciplina de Medicina Integral da FCM (...)....de uma maneira inesperada encontrei o Reiki.Desde então, tenho acesso a um poderoso instrumento de cura que uso associado aos meus conhecimentos médicos ...

Dr Ozéas M Simões. Médico Clínico Geral e Sanitarista In De Carli, 2000, p.16
Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradeço e farei a devida correção. Solicito também que ao extrair qualquer informação desta página seja adicionada à devida autoria ou endereço: http://pedagogiadoencontro.blogspot.com

Grata pelo Encontro.