Este Espaço tem por objetivo compartilhar leituras, falar de encontros, educação, eco-feminismo, parto humanizado, cultura de paz, espiritualidade, dança... de movimentos que o Universo faz pelos quais nos encontramos.
Seja bem vindo, a entrada é franca e amiga... mas chegue com o coração aberto, senão, de nada vai adiantar estar aqui!

27 de jul de 2010

A DOULA


.
Um novo papel, com profundas raízes em práticas tradicionais milenares.
.
.
.
.
.
Desde os primórdios da humanidade foi se acumulando um conhecimento empírico fruto da experiência de milhares de mulheres auxiliando outras mulheres na hora do nascimento de seus filhos.
Conhecimento que foi se perdendo com a recente hospitalização do parto das ultimas décadas.
A figura da doula vem surgindo como uma tentativa de integração dos conhecimentos tradicionais milenares acumulados pela experiência humana com os progressos científicos contemporâneos do tecnológico cenário hospitalar.
.

.

Quem é a doula?
.
A palavra grega doula, vem sendo utilizada a partir das pesquisas de Marshall H. Klauss e John H.Kennel no inicio da  década de 90 para designar profissionais preparadas para brindar conforto físico apoio emocional e informativo, a  mulheres, (e aos seus companheiros e/ou outros familiares) antes, durante e após o parto.
.
.
.
.
..Benefícios
.

Tem se demonstrado que o parto evolui com maior tranquilidade, rapidez e com menos dor e complicações tanto maternas como fetais. Torna-se uma experiência gratificante, fortalecedora e favorecedora da vinculação mãe-bebê.
Segundo dados publicados no primeiro livro “ Mothering the Mother” de Marshall H. Kalus, Phyllis H. Klaus e John Kennell., as mães acompanhadas por uma mulher que lhe prestasse apoio emocional e física durante todo o trabalho de parto tinham resultados surpreendentemente melhores, reduzindo:
.
  • 50% de cesarianas
  • 25% do tempo de trabalho de parto
  • 30% do recurso aos fórceps
  • 40% do recurso à oxitocina
  • 60% do uso de epidural
  • 30% do recurso a analgésicos
  • Problemas na amamentação
  • Incidência de depressão pós-parto.
.
Resultados semelhantes foram confirmados em pesquisas posteriores.
A organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde de vários países entre eles o Brasil reconhecem hoje apos uma década de pesquisas cientificas a enorme contribuição da presença da doula nesse momento tão significativo e de tão profundas repercussões futuras. As vantagens também ocorrem para o Sistema de Saúde, que além de oferecer um serviço de maior qualidade, tem uma significativa redução nos custos dada a diminuição das intervenções médicas e do tempo de internação das mães e dos bebês.  Estima-se que existam atualmente de 10.000 a 12.000 doulas atuando nos Estados Unidos de Norte América. No Brasil, a demanda de mulheres e instituições que solicitam esse serviço, ainda que bem menor, também vem crescendo significativamente.
.
O que a doula faz? Papel da doula na Gravidez
.
A doula apoia a mulher (casal) na preparação para o parto, facilitando conhecimentos e vivências que ajudem a compreender como o parto acontece e os diversos tipos de parto, a realidade dos diversos locais de parto.
Explica os procedimentos comuns que serão realizados, e os recursos não farmacológicos para lidar com a dor e favorecer o desenvolvimento natural do parto, tais como técnicas de relaxamento, massagens, respirações, etc.
A Doula não toma decisões pela mulher (casal). Disponibiliza-se para esclarecer as duvidas e receios e facilita informações que ajudem fazer escolhas conscientes relativas ao tipo de parto que deseja apoiando e respeitando os desejos de cada mulher/casal. (Ver Plano de parto).
.
Papel da doula no trabalho de parto e Parto
.
A doula apoia a mulher (casal) durante todo o trabalho de parto, tanto em casa, como no hospital (sempre que permitido) Favorece posições  confortáveis, que propiciam alivio da dor e o desenrolar natural do parto. Além de outras medidas naturais para o alivio das dores, como banhos, massagens, relaxamento, respirações etc. Complementa o apoio que habitualmente os serviços de saúde disponibilizam para este momento, explicando os complicados termos médicos e os procedimentos hospitalares apoiando emocionalmente e atenuando a eventual frieza da assistência hospitalar num momento de grande vulnerabilidade.
.
Papel da doula no Pós-Parto
.
A doula visita a nova família tanto na maternidade como na sua casa, apoiando física e emocionalmente a nova mãe, transmitindo confiança  e informações que auxiliam  na delicada tarefa de amamentar e cuidar do bebê.
.
O quê a doula NÃO faz
.
A doula não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto. A Doula não tem formação médica ou de enfermagem e por isso  não realiza procedimentos tais como medir a pressão arterial, escutar o coração do bebê ou cuidar da saúde do recém-nascido. Também não é sua função discutir procedimentos ou questionar decisões da  equipe de saude.

Pesquisa: http://daraluz.com.br
Por Lucía Caldeyro

Bate-Papo Aberto sobre Coaching Ontológico

21 de jul de 2010

Sete passos para superar o controle do Ego sobre você

Wayne W. Dyer
18 de Julho de 2010

 Aqui estão sete sugestões para ajudá-lo a transcender idéias arraigadas sobre a própria importância. Todas estas são concebidas para ajudar a impedi-lo de se identificar falsamente com a auto-importância do ego.

1 – Deixe de ficar ofendido.
O comportamento dos outros não é motivo para ficar retido. Aquilo que o ofende somente o enfraquece. Se estiver procurando ocasiões para ficar ofendido, você as encontrará a cada oportunidade. Este é o seu ego operando, convencendo-o de que o mundo não deveria ser assim. Mas você pode se tornar um apreciador da vida e se equiparar ao Espírito universal da Criação. Você não pode alcançar o poder da intenção ao ficar ofendido. De qualquer modo, aja para erradicar os horrores do mundo que emanam da identificação massiva do ego, mas fique em paz. Como “Um Curso em Milagres” nos lembra: “A Paz é de Deus, você que é parte de Deus, não está no lar, exceto em sua paz. O Ser é de Deus, você que é parte de Deus não está no lar, exceto em sua paz”. Ficar ofendido cria a mesma energia destrutiva que o ofendeu em primeiro lugar e leva ao ataque, ao contra-ataque e à guerra.

2 – Libere a sua necessidade de vencer.
O ego adora nos dividir em vencedores e perdedores. A busca da vitória é um meio infalível de evitar o contato consciente com a intenção. Por quê? Porque em última instância, a vitória é impossível o tempo todo. Alguém lá fora será mais rápido, mais afortunado, mais jovem, mais forte e mais inteligente, e novamente você se sentirá inútil e insignificante.
Você não é o seu prêmio ou a sua vitória. Você pode curtir a competição, e se divertir em um mundo onde a vitória é tudo, mas você não tem que estar lá em seus pensamentos. Não há perdedores em um mundo onde todos compartilham a mesma fonte de energia. Tudo o que você pode dizer em um determinado dia é que você realizou em um determinado nível, em comparação aos níveis de outros neste dia. Mas hoje é outro dia, com outros competidores e novas circunstâncias a considerar. Você está ainda na presença infinita em um corpo que está em outro dia, ou em outra década, mais velho. Deixe ir a necessidade de vencer, sem concordar que o oposto de vencer é perder. Este é o medo do ego. Se o seu corpo não está atuando de modo a vencer neste dia, ele simplesmente não se importa quando você não está se identificando exclusivamente com o seu ego. Seja o observador, notando e apreciando tudo isto sem precisar ganhar um troféu. Esteja em paz, e corresponda com a energia da intenção. E, ironicamente, embora você quase não o perceba, mais vitórias se apresentarão em sua vida quando menos as perseguir.

3 – Deixe ir a sua necessidade de estar certo.
O ego é a fonte de muitos conflitos e desavenças, porque ele o empurra na direção de tornar outras pessoas erradas. Quando você é hostil, está desconectado do poder da intenção. O Espírito Criativo é bondoso, amoroso e receptivo; e livre da raiva, do ressentimento ou da amargura. Liberar a sua necessidade de estar certo em suas discussões e relacionamentos é como dizer ao ego: eu não sou um escravo para você. Eu quero aceitar a bondade e rejeitar a sua necessidade de estar certo. Realmente, eu oferecerei a esta pessoa uma oportunidade de se sentir melhor, dizendo que ela está certa, e lhe agradecer por me apontar na direção da verdade.
Quando você deixa ir a necessidade de estar certo, é capaz de fortalecer a sua conexão com o poder da intenção. Mas tenha em mente que o ego é um combatente determinado. Eu tenho visto pessoas terminarem relacionamentos maravilhosos, apegando-se a sua necessidade de estar certo, interrompendo-se no meio de um argumento e se questionando: “Eu quero estar certo ou ser feliz?” Quando você escolhe o humor feliz, amoroso e espiritualizado, a sua conexão com a intenção é fortalecida. Estes momentos expandem no final das contas, a sua nova conexão com o poder da intenção. A Fonte universal começará a colaborar com você, criando a vida que você pretendia viver.

4 – Deixe ir a sua necessidade de ser superior.
A verdadeira nobreza não se refere a ser melhor do que outra pessoa. Trata-se de ser melhor do que você costumava ser. Permaneça focado em seu crescimento, com uma consciência permanente de que ninguém neste planeta é melhor do que outro. Todos nós emanamos da mesma força de vida criativa. Todos nós temos uma missão de compreender a nossa essência pretendida. Tudo o que precisamos para cumprir o nosso destino nos está disponível. Nada disto é possível quando você se vê como superior aos outros. É um velho provérbio, mas, entretanto, verdadeiro: Somos todos iguais aos olhos de Deus. Deixe ir a sua necessidade de se sentir superior, vendo a revelação de Deus em todos. Não avalie os outros com base em sua aparência, em suas conquistas, posses e em outros índices do ego. Quando você projeta sentimentos de superioridade, isto é o que você recebe de volta, levando a ressentimentos, e principalmente, a sentimentos hostis. Estes sentimentos se tornam o veículo que o distancia mais da intenção. Um Curso em Milagres trata desta necessidade de ser especial e superior. A pessoa que se julga especial sempre faz comparações.

5 – Deixe ir a necessidade de ter mais.
O mantra do ego é mais. Ele nunca está satisfeito. Não importa quanto você consiga ou adquira, seu ego vai insistir que não há o suficiente. Você se encontrará em um estado perpétuo de esforço para obter, eliminando a possibilidade de nunca chegar. Entretanto, na realidade, você já chegou, e como você optar por usar este momento presente de sua vida, é sua escolha. Ironicamente, quando você deixa de precisar mais, mais do que você deseja parece chegar a sua vida. Desde que você se desligou da necessidade por isto, você achará mais fácil transmiti-lo aos outros, porque você compreende quão pouco você precisa a fim de ficar satisfeito e em paz.
A Fonte universal está contente com ela mesma, expandindo-se constantemente e criando nova vida, sem tentar se apegar as suas criações para seus próprios propósitos egoístas. Ela cria e libera. Quando você libera a necessidade do ego de ter mais, você se unifica a esta Fonte. Você cria, atrai para si e libera, nunca exigindo que mais venha ao seu caminho. Como um apreciador de tudo o que se apresenta, você aprende a poderosa lição de S. Francisco de Assis: “É dando que recebemos.” Ao permitir que a abundância flua para e através de você, você se equipara a sua Fonte e garante que esta energia continue a fluir.

6 – Deixe de se identificar com base em suas realizações.
Este pode ser um conceito difícil se pensar que vocês são as suas realizações. Deus canta todas as músicas, Deus constrói todos os prédios, Deus é a fonte de todas as suas realizações. Eu posso ouvir o seu ego protestando em voz alta. Entretanto, permaneça atento a esta idéia. Tudo emana da Fonte! Você e esta Fonte são um! Você não é este corpo e as suas realizações. Você é o observador. Observe tudo isto; e seja grato pelas habilidades que acumulou. Mas dê todo o crédito ao poder da intenção, que lhe trouxe à existência e da qual é uma parte materializada. Quanto menos precisar assumir o crédito pelos seus empreendimentos e mais conectado permanecer às sete faces da intenção, mais estará livre para realizar, e mais se apresentará para você. Quando você se liga a estas conquistas e acredita que apenas você que está fazendo todas estas coisas, você deixa a paz e a gratidão de sua Fonte.

7 – Deixe ir a sua reputação.
Sua reputação não está localizada em você. Ela reside nas mentes dos outros. Portanto, você não tem nenhum controle sobre tudo isto. Se falar para 30 pessoas, você terá 30 reputações. Conectar-se à intenção significa ouvir o seu coração e se conduzir baseado naquilo que a sua voz interior lhe diz que é o seu propósito aqui. Se estiver muito preocupado em como será percebido por todos, então você se desliga da intenção e permite que as opiniões dos outros o oriente. Este é o seu ego operando. É uma ilusão que se interpõe entre você e o poder da intenção. Não há nada que não possa fazer, a menos que se desconecte da fonte de poder e se torne convencido de que o seu propósito é provar aos outros como você é poderoso e superior, e gaste a sua energia tentando ganhar uma gigantesca reputação entre outros egos. Permanecer no propósito, desligar-se do resultado, e assumir a responsabilidade pelo que faz, reside em você: seu caráter. Deixe que a sua reputação seja debatida por outros. Ela nada tem a ver com você. Ou como o título de um livro diz: “O que você pensa de mim, não é da minha conta.”

Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

13 de jul de 2010

Nascemos com tudo o que é preciso para viver

Olhe que absurdo as pessoas me perguntam: como amar, como dançar, como meditar? Como viver? Perguntas absurdas... mas elas mostram a pobreza, a pobreza interior do ser humano.

Ele tem adiado tudo e, pouco a pouco, se esquecido.

Toda criança sabe amar, e toda criança sabe dançar, e toda criança sabe viver. Toda criança vem ao mundo completa, com tudo preparado. Ela só precisa começar a viver.

Você já reparou? Se você está chorando e uma criança pequena vê, ela se aproxima de você. Não sabe dizer muita coisa, não sabe convencer você a parar de chorar, mas ela põe a mão sobre a sua. Já sentiu o toque? Nunca ninguém mais o tocará do mesmo jeito, como uma criança — ela sabe tocar.

Posteriormente, as pessoas ficam frias, duras. Elas tocam, mas nada flui das mãos delas. Quando a criança toca você — a ternura da mão dela, a suavidade, a mensagem... ela derrama ali todo o seu ser.

Todas as pessoas nasceram com tudo o que é preciso para viver. E quanto mais você vive mais é capaz de viver. Essa é a recompensa. Quanto menos vive, menos capaz você é. Esse é o castigo.



Osho, em "Saúde Emocional: Transforme o Medo, a Raiva e o Ciúme em Energia Criativa"

6 de jul de 2010

Normose! O que será?

NORMOSE…
A palavra normose foi criada na França pelo escritor e conferencista  Jean-Ives Leloup para designar, em síntese, essa forma de comportamento visto como normal mas que, na realidade, não é normal.
Transportando esse conceito para observação da sociedade atual verificamos que as pessoas se pautam por padrões estabelecidos por alguém ou um grupo, em algum momento.
Por exemplo, segundo padrões da moda atual, ser normal é ser magro e bonito.
Para isso, vale dieta e, a cada dia surge uma diferente, ditada por essa ou aquela celebridade que afirma ter  conseguido o peso ideal em um tempo mínimo.
Para alcançar as medidas ideais da dita normalidade vale a frequência a academias, com rigorosos exercícios físicos, massagens e tudo o mais que possa permitir atingir o idealizado.
E depois vêm as cirurgias para modificar tudo que seja possível alterar.
Não escapam os dentes, que devem ser perfeitos e brancos e, para isso, submetem-se as pessoas a  aplicações de laser, porcelana e o que mais seja necessário.
Não importa se algo faz mal à saúde. O importante é ser normal que inclui, ao demais, estar sempre na moda, vestir a roupa do momento, custe o que custar.
Gastam-se verdadeiras fortunas com cabeleireiros, maquiagem, produtos de beleza.
Porque não se pode perder festa alguma. Nem evento importante. Isso logo nos desqualificaria como um ser normal.
Naturalmente, é louvável o cuidado com o corpo, a atenção ao parecer bem, à elegância. Faz parte da  evolução da criatura cultivar o belo, o bom.
Mas daí aos exageros, aos excessos vai uma distância que prima pela insensatez.
Gasta-se o que não se tem, finge-se o que não se é. Tudo para parecer normal… Como os demais.
Que padrão de normalidade, afinal, estamos elegendo? Algo totalmente físico, exterior, passageiro em  detrimento de valores reais?
Será isso que desejamos para os nossos filhos, a Humanidade do amanhã?
Desejaremos uma Humanidade de pessoas esquálidas, bulímicas, estressadas e vazias de conteúdo?
Cabe-nos pensar um pouco, antes que nossos filhos, por não atenderem aos padrões ditados por alguns se lancem no fundo poço da depressão, perdendo as oportunidades de progresso nesta vida.
Estamos na Terra para angariar sabedoria, ilustrar a mente, dulcificar o coração, ascender à perfeição.
A mente se ilustra com estudo, reflexão, esforço. O coração se dulcifica no exercício do bem ao próximo, entendendo que as diferenças existem para permitir realce à verdadeira beleza.
Invistamos nisso. E, em vez de nos esgotarmos em horas e mais horas de trabalho para conseguir mais  dinheiro para atender a necessidades tolas, reservemos tempo para conviver com a família, com os amigos.
Reservemos tempo para leituras, alimentando as ideias; para a reflexão, a fim de nos enriquecermos  interiormente.
Tempo para olhar o nascer do sol e seu desaparecer no poente, para ouvir a sinfonia da chuva em dias  quentes, o agradecimento da terra pela água que sorve, com sofreguidão.
Tempo para amar, para viver, para ser um humano de valor, para ser feliz.
Pensemos nisso!

[Texto recebido por e-mail, autoria desconhecida]

A Atmosfera da Alma

por Oliveira Fidelis Filho - fidelisf@hotmail.com


"Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isso sim, contamina o homem". Jesus.

Ainda que Jesus se refira à boca para identificar o que entra, entendemos que somos também "alimentados" por outros órgãos dos sentidos como paladar, olfato, tato, audição, visão, para citar os mais conhecidos.

O cérebro se alimenta constantemente de dados provenientes destes sensores, estabelecendo interação entre o sujeito e os inumeráveis objetos aos quais se expõe.

Um verdadeiro caudal de informações, recebidas e processadas constantemente, alimenta os arquivos da memória, possibilitando a formação da consciência, desde a mais rudimentar, ou seja, o proto-self, evoluindo para a consciência central, biográfica, expandida, moral, e outros níveis de consciência que ainda haveremos de identificar e alcançar.

Não há como evitar a chegada desta espantosa quantidade de "e-mails" à caixa postal craniana. Vários arquivos vêm carregados de vírus, potencialmente danosos ao bom funcionamento do ser humano.

Para o grande Mestre, a contaminação, influência, efeitos, alterações, estragos e/ou benefícios, não dependem do que entra e sim de como são recebidos, processados, assimilados e devolvidos.

É, ainda, muito expressivo o percentual de humanos que em face de uma palavra, ato ou acontecimento, reagem mecanicamente. Encontram-se dominados por "programas arcaicos" que, uma vez instalados, tornaram-se imperceptivelmente autônomos. Reagem movidos por sombras, subjugados pela lei do "olho por olho e dente por dente", cativos de complexos firmemente estabelecidos, prisioneiros de suas couraças que os forçam a reagir defensivamente.

Como disse o Mestre: "são escravos do pecado". Do pecado de abrir mão da racionalidade, da lei do Amor, da Sabedoria, do comando da Alma. Os estímulos externos - "o que entra pela boca" - constituem simples disparadores, com o potencial de fazer emergir o padrão comportamental, escondido nos porões do inconsciente, possibilitando virem à tona os demônios criados, constantemente realimentados e mentirosamente "amarrados".

É, portanto, a reação procedente de formas-pensamento, sentimentos e comportamentos, oriundos de nossas crenças e valores, introjetados, assimilados e cristalizados, que se expressa. Reação da qual tem pouca consciência e limitada ingerência, aqueles que abdicaram de pensar os próprios pensamentos e sentir os próprios sentimentos.

Tal padrão comportamental (mecânico, instintivo e irracional), evocado na terceira lei de Newton, que afirma que "a toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade", é, também, facilmente observado nos reinos vegetal e animal.

O animal tido como o melhor amigo do homem - o cachorro - ao ser alvo de agrado abana o rabo e faz festa; se ameaçado, rosna ou até mesmo morde. Esta reatividade instintiva - "boa pra cachorro" - infelizmente ainda é percebida em seres humanos cuja essência divina não foi expandida.

Os "escravos" da reatividade afirmam que são donos do próprio nariz, que não levam desaforo para casa, que ninguém manda neles, que respondem à altura. Entretanto, as únicas pessoas que não as governam são elas mesmas, tal a inconsciência de si.

Os que evoluíram deste primitivo estágio pertencem ao grupo dos que começaram a dominar a si mesmos. Não dependem mais de estímulos externos, quer para abanar o rabo ou para rosnar, desenvolveram a arte de serem alquimistas dos estímulos recebidos. São capazes de processar afetos e desafetos externos, transubstanciando-os em alimentos úteis para os pensamentos e sentimentos, bem como para os sentidos do corpo e relacionamentos.

Não se movem por pensamentos pensados, mas pensam os próprios pensamentos. Usufruem o privilégio de ter a si mesmos como o melhor amigo, sem necessariamente desprezar o cachorro, além, é claro, de melhor compreendê-lo.

Respondem sempre à altura, à altura Crística. São donos não apenas do seu nariz, mas dos ouvidos, dos olhos, da língua, dos pensamentos, dos sentimentos e dos atos. Não levam desaforos pra casa, pois não os hospedam em si mesmos. Eles são capazes de, a semelhança de Jesus, olhar para os erros alheios e percebê-los como limitações de quem ainda não evoluiu. Possuem amor e sabedoria a ponto de dizer: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem".

Comandam a própria vida e, conseqüentemente, estão aptos a partilhar sua sabedoria com outros, quando solicitados.

Para Jesus, "o que sai da boca", ou o que é amorosamente silenciado ou graciosamente dito, estabelecem a diferença entre a religiosidade e a espiritualidade, entre o instintivo e o consciente, entre o irracional e o racional, entre a graça e a lei, entre o amor e o ódio, entre a reatividade instintiva, irracional, e a proatividade consciente, racional e evoluída.

Portanto, somos contaminados ou purificados não por fatores externos, mas pelo que pensamos, sentimos e falamos.

A atmosfera terrestre é uma fina camada de gases sem cheiro, sem cor e sem gosto, presa à Terra pela força da gravidade. A atmosfera da alma envolve o coração e se estende pelos limites do corpo humano. Mantêm-se limpa com o vento do Espírito, com bom perfume Crístico, com a pureza do Amor e a leveza da Paz.

Mantenha a atmosfera da alma limpa, tal cuidado contribui significativamente para que a atmosfera terrestre continue, cada vez mais, agradavelmente habitável. 


Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradeço e farei a devida correção. Solicito também que ao extrair qualquer informação desta página seja adicionada à devida autoria ou endereço: http://pedagogiadoencontro.blogspot.com

Grata pelo Encontro.